PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Cearenses desenvolvem minifoguetes

| Engenharia | Estudantes e professor da UFC trabalham na criação de projetos e promovem divulgação científica em escolas. Convênio com Senai irá viabilizar fabricação de peças

01:30 | 24/09/2018
THUNDER: projeto-piloto atingiu 250 metros de altura em testes realizados em Pentecostes Ribamar Neto / UFC
THUNDER: projeto-piloto atingiu 250 metros de altura em testes realizados em Pentecostes Ribamar Neto / UFC
 

"Todo mundo conhece alguma criança que sonha em ser astronauta", diz Gustavo Farias, estudante de Engenharia Mecânica e gerente de Aerodinâmica no Grupo de Desenvolvimento Aeroespacial (GDAE) da Universidade Federal do Ceará. Apesar de não levar pessoas para o espaço, a equipe trabalha no desenvolvimento e estudo de minifoguetes.

 

Desde 2016, o GDAE vem incentivando a ciência aeroespacial no Ceará, não só com a criação e lançamento de projetos, mas também com ações de extensão, principalmente a divulgação científica em escolas de ensino fundamental e médio. "Se você não vai entrar no foguete, você pode vir aqui e construir um", convida Gustavo.

 

O papel do futuro engenheiro no grupo é garantir que os foguetes tenham a melhor sustentação de voo possível, definindo fatores como geometria e posicionamento de cada componente interno. Nos primeiros projetos desenvolvidos, o foguete era guiado apenas pelo vento, sendo necessário que ele tivesse um formato adequado à trajetória buscada, para que seu voo fosse o mais estável possível.

 

Foi o caso do minifoguete Thunder, cujos lançamentos tiveram o objetivo de fazer testes iniciais de sistemas de propulsão, recuperação e trajetória para subsidiar a produção de outro projeto mais avançado, batizado de Hermes. "A ideia era criar uma experiência de lançamento, de experimentação e de testes de motores", explica o coordenador do GDAE, professor Claus Wehmann, do Departamento de Engenharia Mecânica.

 

A Fazenda Experimental Vale do Curu, em Pentecoste, foi escolhida como local de testes, onde o Thunder chegou a atingir 250 metros de altura. A propulsão e a trajetória são fatores já bem definidos, mas o grupo precisa agora criar um sistema efetivo de recuperação do foguete após ele atingir a altura máxima (apogeu), com acionamento de paraquedas, além de um computador de bordo para controlar válvulas e ignição.

 

Para o novo foguete, o Hermes, os pesquisadores esperam atingir uma altura máxima estimada entre 3 e 5 quilômetros. O objetivo é que ele seja lançado no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno, em Natal, e no VI Festival Brasileiro de Minifoguetes, que ocorrerá em Curitiba, em 2019. Atualmente, o projeto está na fase de aquisição de materiais para fabricação, que deve ser facilitada a partir de assinatura de convênio com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

 

A parceria será para que os alunos dos cursos técnicos do Senai, a partir de conversa com os estudantes das engenharias da UFC, realizem a fabricação das peças. "Eles farão a fabricação de equipamentos que não podemos fazer aqui, porque nossa escala é pequena para um foguete como o Hermes", explica o Claus, que, junto com o professor Marcos Paulo Nogueira (Senai), idealizou o convênio. Além disso, o GDAE também está recebendo doações para viabilizar a execução do novo projeto.

 

Pela complexidade que possui um foguete, o grupo conta com representantes de diferentes especialidades das engenharias. "Precisamos de quem entenda de resistência mecânica (pela pressão sofrida pelos materiais no voo), saiba preparar propelentes, consiga criar um sistema de controle e assim por diante. Então interagimos com uma gama de competência que não encontramos em uma engenharia só", explica Claus Wehmann.

 

O Hermes deve ser o primeiro foguete híbrido já construído no Ceará. Isso significa que a propulsão será feita a partir de dois materiais em estados físicos diferentes. A parafina e o óxido nitroso gerariam uma combustão mais eficiente do que a do Thunder e maior velocidade e altura.

 

Além disso, é preciso atentar para cada material estrutural usado. "O motor precisa suportar grandes temperaturas e pressões, então procuramos materiais com essa capacidade. A tubeira (por onde sai o gás quente) precisa ser de aço, mas o corpo do foguete, para diminuir o peso, podemos fazer de alumínio com proteção térmica", exemplifica o professor.

Agência UFC