PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Mais uma vez, mãe

O tratamento de preservação da fertilidade possibilitou a Mavila ter o segundo filho após superar o câncer

00:00 | 15/10/2017

O menino veio como presente. Hoje com quase dois anos, Fabiano é a alegria da casa, ao lado de Davi, 13. A auditora fiscal Mavila Magalhães, 37, enxerga no crescimento dos dois filhos a vitória no enfrentamento de um câncer de mama.

“Eu descobri o diagnóstico em 2012, quando estava pensando em ter o segundo filho”, conta. Ela optou por tomar injeções que anulam a atividade ovariana como forma de preservar os óvulos. “Foi a melhor opção na época, porque não teria tempo para fazer congelamento de óvulos e precisava começar o tratamento imediatamente”, diz.

O câncer de tipo triplo negativo, um dos mais agressivos, pedia medidas urgentes. Todos os procedimentos — quimioterapia, radioterapia e cirurgia — foram feitos em um ano. “É bem difícil, porque você se vê diante de duas coisas muito importantes: querer ser mãe, e esperar para congelar os óvulos ou correr com o tratamento, porque precisava lutar pela minha vida”, diz.

Mavila, então, focou no tratamento. “Minhas amigas congelaram, mas os tipos (de câncer) delas não eram tão agressivos quanto o meu”, explica. O sofrimento do tratamento do câncer andou de mãos dadas com a ansiedade de engravidar novamente.

Durante esse tempo, o menino mais velho, foi uma âncora. “Davi é incrível. Para ele, foi difícil, mas criança tem outra percepção, consegue relativizar as coisas como a gente deveria fazer. Ele se mostrou muito maduro”, diz. Juntos, eles fizeram a travessia e, do outro lado, encontraram um novo amor.

Quando Mavila foi liberada para engravidar, a resposta chegou em menos de um mês. “Eu nem menstruei, já estava grávida. E saber disso foi uma resposta positiva a tudo o que eu tinha passado”, vibra. No dia 9 de outubro de 2015, nasceu Fabiano. Sadio, chorando alto e se fazendo luz nova na vida da família, o menino chegou trazendo a cura.

“É até difícil dizer o que tudo isso significa pra mim, mas ele foi a certeza de que tudo deu certo, foi um recomeço”, emociona-se ao lembrar que conseguiu inclusive amamentar nos primeiros quatro meses.

O segundo filho e a superação do câncer trouxeram novo sentido à vida. “Comecei a entender o significado do tempo. A gente só tem o hoje, é uma coisa que teoricamente todo mundo sabe, mas não consegue dimensionar e isso realmente é real. Comecei a dedicar meu tempo às pessoas que eu quero do lado e às coisas que de fato quero fazer”.

Neste mês de outubro, a família comemora os dois anos de Fabiano. A festa celebra os novos caminhos do menino e de Mavila, uma conquista que é de todos eles. (Eduarda Talicy)