PUBLICIDADE
Jornal
Doação

Associação Beija Flor faz campanha para reforma estrutural da sede

| Doações | Imóvel onde funcionam atendimentos a pessoas com lábio leporino e fenda palatina precisa de reforço urgente

22/03/2019 02:34:46
Associação Beija Flor, no CEU, no bairro Dias Macedo, onde funciona o Centro de Reabilitação de Deformidades Faciais do Ceará, o qual seu teto está comprometido.
Associação Beija Flor, no CEU, no bairro Dias Macedo, onde funciona o Centro de Reabilitação de Deformidades Faciais do Ceará, o qual seu teto está comprometido. (Foto: Mauri Melo)

Ao se chegar ao prédio da Associação Beija Flor - entidade de auxílio gratuito a pessoas com lábio leporino e fenda palatina - a sensação é de que, caso não haja reforma, a estrutura não se segura de pé por muito tempo. Localizado no Condomínio Espiritual Uirapuru (CEU), no Castelão, o imóvel onde são realizados atendimento médico, psicológico e de fisioterapia, entre outros, possui boa parte das paredes, do teto e do piso com rachaduras. A entidade realiza campanha, chamada "Seja o Alicerce do Nosso Sorriso", para arrecadar R$ 22 mil para reforma estrutural e manter o serviço ofertado.

As rachaduras no imóvel ocorreram, de acordo o engenheiro civil Reuder Villarouca, devido a alterações no nível da avenida Alberto Craveiro. Após obras para a Copa das Confederações, a via foi entregue em junho de 2013 com a altura rebaixada. "Com isso, houve fuga de material. Como a casa (que abriga a entidade) é antiga e tem fundação direta (feita com pedras que sustentam o prédio), houve uma acomodação do alicerce, que resultou na fissura da parede, piso e teto", explica o engenheiro, que doou o projeto de reforma da sede da entidade.

O prédio tem sete salas para atendimento multidisciplinar com fonoaudiólogos, ortodontistas, fisioterapeuta, cirurgião plástico e bucomaxilofacial, otorrino, psicólogo, nutricionista, serviço social e um berçário. Apenas em um dos cômodos, onde estão dois berços para a recuperação de bebês, as estruturas não têm rachaduras. Em três das salas, escoras de ferro sustentam o teto. Com o tempo, segundo o engenheiro, as fissuras podem ruir e chegar a derrubar as paredes e o teto.

Reuder Villarouca afirma que a entidade recebeu doação de aço para a estrutura, o que representa economia de R$3,2 mil. A obra requer ainda 40 sacos de cimento, uma caçamba de areia grossa e outra de brita, tijolos e outros materiais.

 A Associação Beija Flor atende, por mês, uma média de 250 pessoas. A entidade fechou 2018 com a realização de aproximadamente 4.600 consultas, o dobro se comparado ao ano de 2017.

A instituição realiza ações sociais junto às famílias dos pacientes, que muitas vezes não possuem sequer o valor da passagem do ônibus. Elas recebem cestas básicas, leite, fraldas descartáveis e materiais de higiene pessoal. A entidade sem fins lucrativos é a única em todo o Ceará envolvida na causa e recebe demandas inclusive de outros estados.

E são os atendimentos oferecidos pela associação que fazem a diferença na rotina de Rosemary Lopes Bandeira, 46. A dona de casa mora no Messejana e passou a ter suporte na clínica desde que a filha Lara Letícia, hoje com 5 anos, tinha um ano e cinco meses. A menina passou pela cirurgia de correção do lábio leporino no Hospital Infantil Albert Sabin (Hias) há cerca de três anos e hoje é acompanhada por dentistas na Associação Beija Flor. "O atendimento lá é maravilhoso. Jamais teria condições de pagar. Antes, ela também era acompanhada por uma fono. Foi tudo muito rápido, e hoje ela se prepara para colocar aparelho", comemora a mãe.

Doações

Banco do Brasil

Agência: 2917-3

Conta Poupança: 6274-X

Variação: 51

Favorecido: Associação
Beija Flor

Mais informações: (85) 3088 3900/ 3295 0812

Associação Beija Flor

Fundada em 2001 a Associação Beija Flor, que tem sede no Condomínio Espiritual Uirapuru, foi construída a partir de uma estrutura já existente, que na época era a casa de moradores da antiga Fazenda Uirapuru. Em 2014 a instituição passou por reformas e ganhou novos espaços que garantiram muitas melhorias no atendimento. No entanto, ano passado, rachaduras começaram a surgir em diferentes salas.

ANGÉLICA FEITOSA