PUBLICIDADE
Jornal

CE avança em aprendizagem no Ensino Fundamental; Ensino Médio ainda é desafio

| 2007 a 2017 | Levantamento do movimento Todos pela Educação indica melhora dos índices em Língua Portuguesa e Matemática

21/03/2019 02:17:19
(Foto: )

O Ceará foi o estado brasileiro que mais avançou, entre 2007 e 2017, nos níveis de aprendizagem do 5º e do 9º ano do Ensino Fundamental. O dado faz parte do monitoramento realizado pela organização da sociedade civil Todos Pela Educação e diz respeito à meta número 3, que prevê "todo aluno com aprendizado adequado ao seu ano". Esse resultado, referente a escolas públicas e privadas, coloca o Estado ao lado de unidades da federação mais ricas.

A análise, realizada com base no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), revela que o avanço cearense acompanha o crescimento nacional em relação à etapa inicial do Ensino Fundamental. A respeito da aprendizagem adequada em Língua Portuguesa do 5º ano, o Estado subiu de 21% para 65% em dez anos (aumento de 44 pontos percentuais). Também foi percebido avanço quando analisado o 9º ano, que foi de 14% para 44% (expansão de 30 pontos percentuais).

De acordo com a secretária da Educação do Ceará, Eliana Estrela, os bons resultados são reflexo de uma série de políticas que vêm sendo implantadas há muitos anos. Ela destaca que, na rede pública, os cuidados com a aprendizagem começam ainda nos primeiros anos de vida escolar, com o Programa de Alfabetização na Idade Certa (Paic). "Se a criança é alfabetizada no período correto, ela tem mais oportunidade para continuar aprendendo".

Avanços também foram percebidos em relação à aprendizagem adequada de Matemática. Entre alunos cearenses de 5º ano, subiu de 15% para 50% (35 pontos percentuais). Com os estudantes de 9º ano, o índice saltou de 9% para 23% (14 pontos percentuais).

Já na análise dos dados dos alunos da 3ª série do Ensino Médio, o levantamento conclui que o progresso foi menor. Em Língua Portuguesa, foi de 20%, em 2007, para 27% em 2017 (crescimento de 7 pontos percentuais). Em Matemática, também foi pequeno: de 6% para 8% (2 pontos percentuais).

A baixa variação positiva percebida na avaliação para o Ensino Médio é vista pelo coordenador do Núcleo de Inteligência do Todos Pela Educação, Caio Sato, como resultado das dimensões vividas por determinada fatia de estudantes. "Muitos precisam complementar a renda familiar e acabam parando de estudar. Muitas vezes, a cultura local também contribui para colocar o trabalho como importante nessa fase da vida. Tem também o fato de que muitos deles não consideram o modelo pedagógico atrativo, sem incentivo ao protagonismo juvenil", reflete.

A respeito dessas dificuldades, Eliana Estrela sinaliza a importância de programas executados pelo Governo do Ceará que ajudam a manter os estudantes da rede pública estimulados. "Sabemos que é um grande desafio, mas temos trabalhado nesse sentido, principalmente na matrícula nas escolas de tempo integral e de ensino profissionalizante", expõe.

 Ela ressalta ainda que, a cada três escolas geridas pelo Governo do Estado, uma disponibiliza ensino integral. Somado a isso, destaca a política de desenvolvimento de competências socioemocionais implantada nas escolas. "É um incentivo ao protagonismo, para que, junto com colegas ou sozinho, o aluno tenha autonomia para construir o próprio conhecimento". A respeito do baixo avanço percebido em Matemática, a secretária salienta que os professores passam por capacitações constantes, a fim de estimular um aprendizado mais didático.