PUBLICIDADE
Jornal

Para reduzir risco de rompimento de barragem, novo sangradouro é aberto

| Ubajara | Agora, engenheiros vão monitorar liberação da água e avaliar condições para que famílias retornem às casas

20/03/2019 02:00:44
(Foto: )

A água que escorreu da barragem do Granjeiro por volta do meio-dia de ontem representou alívio a centenas de famílias que estavam ameaçadas com o risco de rompimento da estrutura. A obra para abertura do novo sangradouro na barragem em Ubajara (Serra da Ibiapaba) durou cerca de quatro dias e veio como medida emergencial para reduzir à metade a água e também a pressão no talude do reservatório. Com liberação gradual, são cerca de 2 m³ de água a cada segundo nesta etapa inicial de vazão. Operação considerada dentro da normalidade pelos engenheiros que atuam na obra, a previsão agora é de observação por pelo menos 24 horas após a abertura desse novo sangradouro.

Durante toda a manhã de ontem, a comunidade que vive às margens do açude e do curso do rio Jaburu aguardou ansiosa na parte alta da área para ver a água correr. Erivaldo da Silva, 39, operário de corte de rosas e morador da localidade do Boi Morto, uma das ameaçadas pelos riscos, conta que sentiu confiança ao ver a liberação na margem da barragem. "É que esses dias foram de muito sufoco para as pessoas da comunidade. Eles diziam que a barragem estava arrombando, muita gente se desesperou", relata.

Ainda no fim da tarde da segunda-feira, 18, na véspera da liberação do sangradouro, nova remoção foi feita pelas autoridades de Ubajara. Conforme elas, a preocupação era que a liberação de água precisava ocorrer de forma segura. "Pelo que eu conheço do rio, acho que essa quantidade de água aqui não apresenta perigo na vazão. Fiquei mais tranquilo", ponderou Erivaldo.

Especialista em barragens da Agência Nacional de Águas (ANA), Rogério Menescal afirmou que, de fato, um risco de inundação com a abertura do vertedouro estava descartado. Segundo ele, a quantidade de rocha encontrada no local foi positiva, já que deve ajudar a controlar a erosão. "Vai permitir que a gente solte a água com mais controle. A ideia é que aumente a vazão em torno de 50% do que tem hoje, mas vai depender um pouco da chuvas nas cabeceiras, já que a água da chuva de ontem (segunda-feira) ainda está chegando", afirma. Ele explica ainda que a ideia, após observação do comportamento do rio, é de que a abertura seja ainda maior.

O prefeito de Ubajara, Renê Vasconcelos (PDT), afirmou que a abertura do sangradouro foi momento "crucial" no processo de evacuação das famílias ribeirinhas. "Vai haver aporte muito grande no leito do rio. Por isso, temos o apelo que as pessoas permaneçam alertas e obedecendo ao chamado da Defesa Civil e da ANA", frisou.

O próximo passo, feito o serviço emergencial, é formar comitê gestor com produtores locais, lideranças políticas e comunitárias.

"Vamos usar o apoio de representantes em nível estadual, federal e sentar com o governador Camilo Santana (PT) e elaborar um plano de ação com o proprietário da barragem (Avelino Forte) para discutir uma maneira para que deixe de apresentar perigo e que também não deixe de existir, mas que sirva à população de uma maneira segura. Sabemos que muitos produtores dependem da barragem para sua produção diária", disse o prefeito.

Remoção

500 famílias de comunidades ameaçadas por rompimento da barragem do Granjeiro e aumento do fluxo do rio Jaburu receberam ordem de evacuação desde a noite de sábado, 16.

 

EDUARDA TALICY ENVIADA A UBAJARA