PUBLICIDADE
Jornal

Polícia pede apreensão de 3º envolvido com massacre em Suzano

| Barbárie | Um adolescente de 17 anos teria participado da preparação do ataque realizado por dois jovens, que também morreram no atentado à escola

15/03/2019 02:05:41
VELÓRIO das vítimas do massacre ocorreu na Arena Suzano e levou 15 mil pessoas ao local
VELÓRIO das vítimas do massacre ocorreu na Arena Suzano e levou 15 mil pessoas ao local (Foto: NELSON ALMEIDA/ AFP)

A Polícia Civil de São Paulo pediu ontem à Justiça a apreensão de um adolescente de 17 anos suspeito de ser o terceiro envolvido no ataque à Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), que deixou dez mortos e 11 feridos na quarta-feira, 13. Ele também é ex-aluno da escola e estudou com o adolescente da mesma idade que, segundo a Polícia, liderou o ataque. A participação do novo suspeito teria ocorrido na fase de preparação.

A Polícia não revelou quais provas ligam esse adolescente ao ataque, mas já colheu depoimento dele e aguarda posicionamento da Justiça.

De acordo com o delegado-geral Ruy Ferraz Fontes, o massacre estava sendo planejado pelo menos desde novembro e as conversas entre os dois rapazes de 17 anos e Luiz Henrique de Castro, 25, ocorriam principalmente de forma presencial, já que moravam perto. Ainda está sendo realizada perícia nos equipamentos apreendidos para apurar suspeita de que fóruns da deep web incitaram a barbárie.

"Eles não se sentiam reconhecidos na comunidade que faziam parte e queriam agir como em Columbine, com crueldade. Este era o principal objetivo: a repercussão", disse Fontes. O delegado detalhou que a besta, o machado e as roupas táticas foram adquiridos pelo site Mercado Livre, plataforma que permite vendas diretas entre comerciantes e consumidores.

Enquanto a investigação do crime continua, amigos e familiares das vítimas do massacre lidam com a despedida.

O velório coletivo de duas funcionárias e cinco alunos executados na escola estadual teve mais de 15 mil pessoas, que formaram filas e chegaram até em ônibus escolares.

Os corpos foram velados a partir das 7 horas, na Arena Suzano, até o fim da tarde. Na multidão que foi ao local, muitos choravam, mesmo sem conhecer as vítimas. As lágrimas se multiplicavam também entre voluntários, funcionários públicos e alguns jornalistas.

Entre os parentes, que ficaram em uma área cercada dentro do ginásio, a emoção ainda era maior. Grades separavam a área onde estavam os corpos e as famílias das vítimas. Ao lado, um corredor foi destinado à passagem da população que prestava homenagens. Mesmo após o fim do culto, famílias continuaram a entoar canções cristãs, enquanto os parentes continuavam junto dos caixões. Alguns alunos vestiam o uniforme preto da Escola Estadual Raul Brasil, local do massacre. Na missa na parte central do ginásio, foi lido o nome das vítimas. E feito o pedido: "Sim à paz". (Com Agência Estado)