PUBLICIDADE
Jornal

Ataques teriam causado queda de 56% nos homicídios

| JANEIRO | Redução estaria relacionada ao recuo das facções na disputa por territórios e à presença massiva de policiais nas ruas. Comparação é com o mesmo intervalo de 2018

16/01/2019 01:30:00
NULL
NULL (Foto: )

[FOTO1]

De forma semelhante ao acordo de paz firmado entre facções criminosas em 2016, a onda de ataques às cidades cearenses, também deflagrada por essas organizações, voltou a influenciar as estatísticas de homicídios no Estado. A trégua na disputa por territórios, que passou a 'vigorar' durante o atual ciclo de atentados, iniciado no último dia 2, é um dos fatores considerados para a redução de 56% nos assassinatos deste janeiro.

[FOTO2]

Entre os dias 1º e 13, foram 108 homicídios no Estado. No mesmo intervalo de 2018, foram 243 mortes. A média diária caiu de 19 para 8. Já em comparação com dezembro de 2018, no mesmo período de dias, a queda foi de 23%. No mês passado, foram 141 assassinatos. Houve, em média, 18 ocorrências por dia.

 

As informações de janeiro vigente foram obtidas junto a fontes da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Os números podem sofrer leves alterações futuras, para mais ou para menos, pois não estão consolidados e não há confirmação de que foram retiradas as mortes por intervenção policial, que possuem excludente de ilicitude e não integram as estatísticas dos meses anteriores. Já os dados de 2018 estão publicados no site da pasta.

[SAIBAMAIS] 

Ouvidas pelo O POVO na condição de anonimato, fontes ligadas à cúpula da Segurança reconhecem, e especialistas concordam, que os acertos estão influenciando nas estatísticas. Há, contudo, diferenças de finalidade.

 

Em 2016, quando houve redução de 15,2% nos homicídios com relação a 2015, com queda de 4.019 para 3.407 mortes, os objetivos eram "mercadológicos", voltados para o tráfico de drogas. Chamado de "pacificação", o pacto de não agressão permitia, por exemplo, a livre circulação de moradores entre bairros que antes eram considerados rivais.

 

Desta vez, houve uma trégua na guerra entre facções. Os ataques mútuos cessaram para que o enfrentamento ao Estado fosse priorizado, mas o predomínio e controle dos territórios, bem como as regras e restrições, permanecem.

 

"Qual intervenção está ocorrendo nas comunidades, além do aumento da presença policial? É só Polícia, muita saturação. Os criminosos sabem que correm risco. Quem vai ficar na rua contra o Estado armado? Ninguém. Eles entendem isso e recuam. Há uma trégua, mas não acordo de paz", detalha uma das pessoas ouvidas pelo O POVO.

 

Até o fim da semana, cerca de 850 homens da Força Nacional, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, além de militares de outros estados, reforçarão a segurança no Ceará. São equipes táticas que atuam em escalas alongadas, em regime diferenciado, aumentando a presença policial nas ruas, com o objetivo de coibir novos ataques e elevar a sensação de segurança.

 

"As facções estão se unindo, em determinado sentido, contra o Estado. E por isso elas param de se matar. Isso prova que é muito complicado o Estado intervir quando eles estão se matando entre si. A situação é complexa", admite outra fonte.

 

Um terceiro especialista alerta para o risco de novo conflito, assim como houve em 2017, caso a situação seja estabilizada dentro das pretensões do Governo. Neste cenário, os territórios nas comunidades se tornarão ainda mais valiosos diante da perda do controle no interior dos presídios, que também funcionam como formas de arregimentar novos membros pelas organizações criminosas.

 

Prisões

 

As ações de policiamento ostensivo e investigações da Polícia Civil, durante o atual ciclo de ataques, já levaram à prisão ou apreensão um total de 375 pessoas, até a tarde de ontem.

 

Medidas

 

Nos próximos dias, a expectativa é de aumento ainda mais significativo das forças policiais nas ruas, para além dos reforços externos, pois já estão em vigor as leis anunciadas pelo governador Camilo Santana (PT) que têm exatamente este objetivo.

 

O pacote de medidas de enfrentamento à violência e combate ao crime organizado, sancionado no último domingo, foi publicado no Diário Oficial do Estado e inclui a convocação de policiais militares e bombeiros militares que estão na reserva para auxílio à tropa em operação.

 

Também está previsto o aumento da quantidade de horas extras, de 48 horas para 84 horas mensais, que podem ser pagas a todos os policiais civis e militares, além dos bombeiros e agentes penitenciários, aumentando da força de trabalho do Estado.

Thiago Paiva

TAGS