PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Médico desiste de vaga após trabalhar um dia na zona rural

01:30 | 06/12/2018

MAIS MÉDICOS passa por período de reposição de profissionais após saída de cubanos KARINA ZAMBRANA/ ASCOM
MAIS MÉDICOS passa por período de reposição de profissionais após saída de cubanos KARINA ZAMBRANA/ ASCOM
Sem médico desde o dia 19 de novembro, quando os cubanos deixaram o Brasil após rompimento de Cuba com o programa Mais Médicos, o distrito cearense de Vila Isabel, em Parambu (a 404 km de Fortaleza), contou com um profissional brasileiro por menos de 24 horas.

A 60 km da sede da cidade, que fica já na divisa com o Piauí, a localidade concentra 1.200 pessoas. Enilzete Noronha, secretária da Saúde de Parambu, afirma que, antes de preencher a vaga que seria destinada ao distrito, o profissional brasileiro selecionado tentou negociar uma carga horária alternativa, de maneira a flexibilizar as 32 horas de atendimento clínico.

"O médico tentou fazer acordo para reduzir a carga horária. Queria trabalhar três dias, apenas. Não aceitamos, e ele foi assim mesmo", conta a gestora.

Na última terça-feira, porém, ele acabou abrindo mão da vaga. De acordo com a gestora, o motivo alegado foram as condições de acesso ao local.

"Como secretária, o que nos preocupa é o fato de os médicos estarem chegando e quererem fazer acordo, ter outros empregos. E, infelizmente, precisamos das 40 horas de dedicação", critica Enilzete.

Além dos sete médicos cubanos que deixaram o município depois do fim da participação dos estrangeiros, Parambu também vai perder outros dois profissionais que integravam o Programa Saúde da Família (PSF). Dos 13 médicos que atuavam antes da saída dos caribenhos, vão restar apenas quatro - dois na sede e dois na zona rural.

Questionada sobre as dificuldades para fixar os médicos brasileiros nas vagas abertas, a secretária disse acreditar que um fator é determinante para isso: 

"O acesso aos municípios. Estamos distantes dos grandes centros".

Segundo ela, a prefeitura custeava transporte, alimentação e até mesmo o acesso à internet, numa tentativa de criar atrativos para a permanência do médico na cidade.

Em todo o País, pelo menos 200 médicos haviam desistido de vagas até ontem. Os postos ociosos vão ser inseridos em novo edital para reposição. O prazo para apresentação dos médicos inscritos no programa se encerra no próximo dia 14 de dezembro.

EDITAL 

Em todo o Brasil, pelo menos 200 médicos desistiram de vagas no Mais Médicos, que serão repostas em novo edital do programa. O prazo final para apresentação nos municípios é dia 14/12

184 médicos são exonerados em 81 cidades 

SAÍDA DE MÉDICOS

Se apenas 49 médicos se apresentaram para trabalhar em 20 municípios cearenses desde a saída dos médicos cubanos, pelo menos 80 cidades já precisaram exonerar 184 profissionais que integravam o programa Estratégia Saúde da Família (ESF).

O desligamento se deve ao efeito do Mais Médicos, cuja bolsa, de R$ 11,8 mil, mais benefícios como moradia e alimentação, acabaram despertando o interesse dos profissionais que trabalhavam em outras cidades.

Em Tamboril, por exemplo, além dos nove médicos cubanos que deixaram o município, a prefeitura perdeu os três que atuavam no Programa Saúde da Família (PSF).

De acordo com o secretário de Saúde do município, Rainey Martins, até a última segunda-feira, havia apenas um médico para atendimento da equipe anterior.

Dois plantonistas precisaram ser contratados para reforçar o atendimento no único hospital da cidade, que tem ficado superlotado depois que os cubanos foram embora. O fluxo na unidade aumentou em média 50%, diz Martins.

HENRIQUE ARAúJO