PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

União para realizar festas

Rede de solidariedade. Fortaleza

01:30 | 09/11/2018

"Trabalho de graça no seu casamento LGBT até o final do ano" foi uma mensagem que passou a figurar nas redes sociais nos últimos dias. Faz parte de uma campanha para ajudar quem decidiu casar por receio do cenário político e legislativo que iniciará no próximo ano. Fotógrafos, músicos, decoradores e maquiadores são alguns dos diversos profissionais que se disponibilizaram em Fortaleza.

 

A produtora Luana Caiube foi uma das que aderiu ao movimento. "(Decidi ajudar) primeiro, por ser gay e por me colocar numa condição de quem teme perder esse direito. No momento, não tenho nenhuma relação, mas isso chega em mim. Essa preocupação dos amigos, dos conhecidos, enfim, da comunidade da qual faço parte".

 

Ela entendeu que poderia ser um elo nessa corrente. Cerca de 100 pessoas entraram na força-tarefa, como o ator Silvero Pereira. "É muito importante que isso seja real e não midiático, assumido apenas por meio de postagens. As pessoas têm de ter a real noção de como esse momento é importante na vida de quem quer casar. Tem que encarar isso com seriedade e solidariedade", ressalta Luana.

 

Segundo a produtora, cerca de dez casais já demonstraram interesse. Os que não têm condições financeiras de arcar com uma festa, vão receber, de alguma forma, os serviços de quem se dispõe, como fotografias, acompanhamento jurídico etc.

 

Um dos casais que já tem data marcada e receberá ajuda na celebração falou ao O POVO com o pedido para preservar as identidades. As duas mulheres vivem juntas há cinco anos, têm união estável registrada há três, e já iniciaram um processo de adoção. Mas, o casamento foi um desejo que elas viram a necessidade de adiantar do ano que vem para o próximo dia 13 de dezembro. "A gente gosta de fazer tudo planejado. Foi meio que atropelado. A gente ficou muito pensativa, meio deprimida e com medo. O sentimento é esse. A gente tem um carro, uma casa. Como vai ficar a vida de uma na falta da outra? A gente quis garantir o direito das duas", explana uma delas.