PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Obra no viaduto da BR-116 sobre av. Borges de Melo deve durar 90 dias

| MOBILIDADE | DNIT reconhece que trânsito no trecho deverá ficar complicado e sugere rotas alternativas

01:30 | 10/10/2018
FECHAMENTOda alça do viaduto e estreitamento da via causaram longo engarrafamento Julio Caesar
FECHAMENTOda alça do viaduto e estreitamento da via causaram longo engarrafamento Julio Caesar

As obras de manutenção nas juntas de dilatação do viaduto da BR-116, sobre a avenida Borges de Melo, iniciaram, ontem, e devem durar três meses. Os condutores que não sabiam do início da intervenção foram surpreendidos com o estreitamento da pista e bloqueio das alças de acesso.

 

Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a obra se dará em duas etapas de 45 dias cada. A primeira começou ontem, 9, no sentido sertão-praia, com interdição do acostamento, da faixa lenta e das alças que ligam a Rodovia à avenida Borges de Melo. Na próxima semana, a obra se instala também no sentido contrário - praia-sertão -, com bloqueio das faixas rápida e central, e das alças de acesso.

 

A segunda etapa será realizada de forma inversa à primeira, em igual período, completando os três meses previstos pelo DNIT.

 

Ontem, primeiro dia de bloqueio na avenida Borges de Melo, condutores se confundiram com o bloqueio instalado das alças de acesso ao viaduto. Na BR-116, placas e agentes do DNIT orientavam o trânsito. Um motorista, que seguia do Cambeba para o Centro, reclamou do congestionamento e do desconhecimento da intervenção.

 

A obra prevê reparos no pavimento da região das bordas das juntas de dilatação do viaduto, áreas que, recorrentemente, apresentam buracos na via. A expectativa é que a obra substitua os reparos paliativos e emergenciais, informou o órgão.

 

"Haverá a substituição destes perfilado e reparo do pavimento. A retirada do pavimento será somente na região das juntas de dilatação, com posterior reposição. Os perfilados a serem aplicados nas juntas são do tipo Jeene e fabricados com material elastomérico", explica o engenheiro fiscal das obras, Rafael Ribeiro.

 

Os serviços estão orçados em aproximadamente R$ 370 mil, e serão executados pela empresa Insttale Engenharia Ltda.

 

Para quem costuma utilizar as alças no viaduto, a indicação é recorrer à rotatória da avenida Aguanambi, uma vez que por meio desta Rotatória é possível acessar à BR-116. O fluxo que já é intenso na rodovia, deverá ser intensificado, sobretudo nos horários pico. "Sempre que possível utilizar rotas alternativas. Como opções, tem-se as avenidas Desembargador Gonzaga, Rogaciano Leite, Borges de Melo e as avenidas que dão acesso à avenida Aguanambi, por meio do Bairro de Fátima", sugere Rafael.