PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Rede pública cresce como alternativa e aumenta migração das escolas particulares

| ENSINO MÉDIO | Fatores como crise e maiores oportunidades com Enem geram maior procura pelas escolas públicas estaduais

01:30 | 20/01/2018

 

TATIANA FORTES
ESCOLA ESTADUAL Adauto Bezerra há uma semana já tem pais e estudantes à espera do início das matrículas na segunda, 22
TATIANA FORTES ESCOLA ESTADUAL Adauto Bezerra há uma semana já tem pais e estudantes à espera do início das matrículas na segunda, 22

 

 

As matrículas do ensino médio para alunos novatos na rede estadual começam na segunda-feira, 22. Em meio ao sonho de ver o filho ingressar no ensino superior, muitas famílias têm adotado as escolas públicas como caminho para ver seus adolescentes na Universidade. Se há até poucos anos escolher colégios públicos era a última opção, essa tem se tornado uma escolha cada vez mais frequente. Em 2017, no Ceará, foram 92.687 matrículas para novatos egressos da rede privada ou de outros estados. O número é 16% maior que o de 2016. Para o próximo período letivo, a estimativa da Secretaria da Educação do Ceará (Seduc) é de que sejam ofertadas, apenas em Fortaleza, 15 mil novas vagas para essa categoria de estudantes.

 

As razões que levam pais ou responsáveis a optar pela rede pública são das mais variadas. A crise econômica prevalece entre elas, mas não está só. O maior número de oportunidades proporcionadas pelo sistema de cotas ou por programas como o Prouni também estão entre as causas citadas. “A questão financeira pesa, sem dúvida. Mas o ensino público de qualidade também é um direito nosso. Busco também a confiança em um ensino médio melhor ao escolher a escola pública”, afirma o autônomo José Ivan Carneiro, que busca uma vaga para a filha Lara Kelly, 15, no 1º ano da escola Adauto Bezerra. Considerável parcela dessa migração privado-público se dá com estudantes egressos de escolas consideradas de médio porte. Para algumas delas, esse exôdo é refletido em fechamento de turma ou mesmo de turnos inteiros para determinadas séries do ensino médio. Para Airton Oliveira, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Ceará (Sinepe-CE), o trânsito entre escolas privadas e públicas sempre foi uma via de mão dupla, com a balança variando de acordo com o ‘humor’ da economia. “As escolas médias são as que mais sentem as oscilações da economia. Se é um período de crise, muitos pais com menor condição financeira matriculam os filhos em escolas públicas. Se a economia vai bem, eles optam por escolas particulares maiores ou com mais mídia”, explica. Ele pondera ainda que não houve redução em números absolutos de estudantes matriculados nos colégios particulares, mas reconhece uma retração no aumento nos últimos anos. “O crescimento das matrículas já foi de 6% ao ano em meados de 2012. Hoje estamos com perspectiva de aumento variando entre 1,5% e 1,8%”. 

 

DATAS As matrículas para alunos novatos do ensino médio na rede pública estadual ocorrerá entre os dias 22 de janeiro e 2 de fevereiro 

 

Adauto Bezerra Temor por falta de vagas gera fila antes da matrícula Redes estendidas e colchões espalhados pela quadra de esportes da escola. O que até pode parecer atividade extra-curricular educacional, na verdade é medo aliado ao esforço em busca da garantia de vaga. No Adauto Bezerra, um dos colégios estaduais mais procurados da Capital, a busca por lugar para o ano letivo 2018 começou bem antes do início oficial da matrícula para novatos, marcado para segunda-feira, 22.

Desde o dia 13, pais formam fila na quadra para garantir chance no dia da matrícula. De acordo com a Seduc, as filas antecipadas não são necessárias. A organização é feita pelos próprios pais, com o intuito de evitar que alguém burle a sequência. A escola cede o espaço para que os interessados não fiquem na rua. Até a noite de ontem, representantes de cerca de 200 estudantes já estavam no local.

O pensionista Luís Nogueira, 54, foi o primeiro a chegar. Ele parece não se importar com a espera e se diz orgulhoso pelo esforço para matricular a filha Bruna Luíza, 14. “Estou aqui pelo futuro dela. Como na cantina e tomo banho no vestiário da escola todos os dias, lutando por uma vida melhor para ela”. (João Marcelo Sena) 

 

DADOS NO ESTADO  

Em 2017, o Ceará teve 389.478 alunos matriculados no ensino médio da rede estadual.  

NO PAÍS 

De acordo com o último Censo Escolar, o Brasil teve 8,1 milhões de matrículas no ensino médio em 2016. Uma em cada oito inscrições era na rede privada

JOãO MARCELO SENA