PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Justiça bloqueia bens de prefeito do PT que "avermelhou" prédios e uniformes da gestão

A Justiça ainda deu prazo de dez dias para que Samuel Freire retire as cores de todo e qualquer prédio da Prefeitura

16:15 | 13/10/2014

A Justiça do Ceará determinou a indisponibilidade de bens do prefeito de Assaré, Luís Samuel Freire (PT), acusado de promover promoção de sua gestão e partido após pintar diversos prédios da gestão nas cores vermelho e branca. A medida segue ação do Ministério Público do Estado (MP-CE), que pediu o bloqueio para garantir que o gestor devolva até R$ 53,9 mil aos cofres públicos pelas irregularidades.

A Justiça ainda deu prazo de dez dias para que o prefeito retire as cores de todo e qualquer prédio da Prefeitura. Segundo investigação do MP-CE, o gestor teria pintado os prédios de vermelho para deixar “marca” de sua gestão, em cor “identificadora do Partido dos Trabalhadores (PT)”. As mudanças teriam ocorrido logo após ele tomar posse, em 2013.

[SAIBAMAIS 1]Entre os locais pintados, estão desde escolas municipais, academias, parques, praças, quadras e até o prédio da Prefeitura. Fardas de alunos da rede pública também aderiram às cores – que não incluem nenhuma tonalidade da bandeira do município, em azul, amarelo e verde. Caso descumpra a medida, poderá ser cobrada multa de até R$ 1 mil por dia.

“Não se trata de uma mera coincidência, mas, sim, de um ato que caracteriza notória promoção pessoal. Assim, ele tencionou caracterizar os prédios públicos com a marca pessoal da sua gestão, atrelando a imagem das cores do PT à gestão da coisa pública”, diz o MP-CE. Somente na pintura de uma escola, foram investidos R$ 53,9 mil.

"Não existe nada disso"

Na época da denúncia do MP-CE, o chefe de gabinete do prefeito, Antônio Neto, negou as denúncias. Ele afirmou que todas as reformas e construções feitas pela atual gestão têm utilizado as cores branca e azul, com "apenas uma faixa" vermelha. "Até porque ficaria feio se pintasse tudo só de vermelho", argumenta.

Redação O POVO Online
com informações do MP-CE

TAGS