PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

Organizações e militantes feministas reagem à carta de José Mayer

05/04/2017 01:30:00

Considerada uma vitória, a carta do ator José Mayer, em que pedia desculpas e admitia ter cometido assédio sexual contra a figurinista Susllem Tononi, foi celebrada por feministas. Por outro lado, houve ainda quem pregasse que o pedido de desculpas não é o suficiente e que o agressor deve ser punido criminalmente, conforme a lei.


A autora da denúncia explica em tom confessional das dificuldades de uma jovem em início de carreira em peitar homem famoso. Para a professora da Universidade Federal do Ceará, blogueira e militante feminista, Lola Aronovich, o desfecho é motivo de alegria. “Pra quem imaginava, baseado em experiências anteriores, que Mayer seguiria fazendo novelas e assediando funcionárias e que a figurinista é que seria despedida, bom, as coisas correram de um jeito bem diferente”. Ela comentou ainda o protesto das colegas de Susllem e disse que a ação demonstra sororidade.


“A luta pra mulher ser ouvida é árdua, mas compensa ainda mais quando isso aqui acontece”, celebrou a internauta Tâmyla Aguiar no Facebook.


A ONG feminista Think Olga, que ficou conhecido por lançar campanhas como #primeiroassedio, também se manifestou sobre o assunto. “Assediadores não passarão. Mayer está afastado das telas, mas também aguardamos que medidas legais sejam tomadas nesse caso”, publicou no Twitter. Comentários reproduzidos pelas redes sociais também cobraram penalidade criminal, como previsto na lei. (Isabel Filgueiras)

Adriano Nogueira

TAGS