PUBLICIDADE
Jornal

VERSÃO IMPRESSA

Número de casos suspeitos de febre amarela chega a 550

Mato Grosso do Sul e Goiás aparecem pela primeira vez na lista de estados com casos suspeitos. Minas tem 502 notificações da doença

27/01/2017 01:30:00

Os casos suspeitos de febre amarela avançam pelo País. O Ministério da Saúde foi informado ontem, 26, que Goiás e Mato Grosso do Sul identificaram pacientes com sintomas da doença. Com isso, sobe para seis o número de Estados que investigam registros de prováveis infecções. Além da expansão territorial, o número de casos em investigação subiu de forma expressiva. Ontem eram 550 pacientes com a suspeita da infecção. Na quarta, eram 455. Na terça-feira, 364.


Para o diretor do departamento de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Eduardo Hage, o que mais chama a atenção no surto deste ano é a velocidade de expansão. Os primeiros registros ocorreram em Minas, no início do mês. Depois disso, o governo mineiro já notificou 502 casos, em 51 municípios. Desse total, 68 foram confirmados, 415 estão em investigação e 19 foram descartados.


Entre os pacientes com suspeita da doença em Minas, 98 morreram. Exames já confirmaram que em 37 casos a morte foi de fato provocada pela febre amarela. Outros 61 continuam em investigação. O País confirmou até agora 72 casos de febre amarela, com 40 mortes. Há ainda outros 455 casos em investigação - dos quais 65 são óbitos.


Hage afirma não haver uma explicação para a expansão de casos tão rápida. Ele avalia ser remota, por exemplo, a possibilidade de que o surto deste ano seja provocado por um vírus mais agressivo. “O vírus da febre amarela é bastante estável.” O diretor, no entanto, chama a atenção para a localização dos primeiros casos: cidades mineiras onde as taxas de imunização contra a doença são consideradas baixas e municípios do Espírito Santo, onde até este ano não havia registro de casos e, justamente por isso, não havia indicação para vacina.


Tanto Mato Grosso do Sul quanto Goiás são Estados classificados como área de risco para febre amarela e, portanto, onde a vacinação contra a doença é feita de forma rotineira. Mesmo assim, foram enviados para Goiás 30 mil doses extras de vacina. Para Mato Grosso do Sul, outras 25 mil.


A vacina contra febre amarela é indicada para populações que residem em 18 Estados, além do Distrito Federal. A imunização pode ser feita a partir dos 6 meses de idade, desde que respeitadas contraindicações. Embora esteja no calendário vacinal de boa parte do território do País, a cobertura nacional é baixa: 65%. O recomendado é que pelo menos 95% da população da área de risco esteja imunizada contra a doença.


Apesar de a baixa cobertura vacinal ser evidente, a prioridade, neste momento, será imunizar as áreas consideradas de maior risco: Estados onde há casos suspeitos e confirmados de febre amarela, municípios próximos das regiões atingidas e áreas com registros de morte de macacos. A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, afirmou que somente passado o surto um esforço deverá ser feito para se tentar melhorar a cobertura vacinal de Estados onde há recomendação da vacina, mas que apresentam indicadores considerados ruins.

 

NÚMEROS

 

40

é o número

confirmado de mortes causadas pela febre amarela

 

72

é o número de

de casos confirmados de febre amarela em todo o País em 2017

 

Adriano Nogueira

TAGS