PUBLICIDADE
Olimpíadas
NOTÍCIA

Olimpíadas: quem é Rayssa Leal, a mais jovem brasileira em Jogos Olímpicos

Rayssa Leal tem grandes chances de ser não só a primeira, mas a mais jovem atleta feminina a vencer na estreia do skate nas Olimpíadas de Tóquio. Confira quem é a garota

00:47 | 20/07/2021
Olimpíadas de Tóquio: Rayssa Leal é a mais jovem brasileira em Jogos Olímpicos; veja quem é a garota (Foto: Julio Detefon/CBSK/Direitos Reservados)
Olimpíadas de Tóquio: Rayssa Leal é a mais jovem brasileira em Jogos Olímpicos; veja quem é a garota (Foto: Julio Detefon/CBSK/Direitos Reservados)

Desde que foram definidos os nomes que irão representar o Brasil nas Olimpíadas de Tóquio, a skatista Rayssa Leal ganhou destaque pela sua idade. Com apenas 13 anos, ela é a mais jovem atleta a representar o País na competição e já comprovou que sua visibilidade vai muito além da idade.

A maranhense começou a andar de skate aos 6 anos e além de ser uma das grandes apostas de medalha, ela já possui títulos de vice-campeã mundial e campeã brasileira em seu currículo.

Aos 11 anos, ela fez história ao se tornar a mais jovem skatista a faturar uma etapa da Street League Skateboarding (SLS), série competitiva internacional de skate profissional.

Além disso, ela foi vice-campeã no Mundial de Skate Street, disputado em setembro de 2019, em São Paulo, e ficou atrás apenas de Pamela Rosa, brasileira que também compete na modalidade street feminino. No mesmo ano, ela foi campeã brasileira na modalidade street após o somatório de pontos das três etapas competidas.

A atleta ganhou o apelido de “Fadinha do Skate” por causa de um vídeo repercutido na internet em que aparecia fazendo manobras de skate vestida de Sininho, a fada da Disney. Até mesmo o Tony Hawk, um dos maiores skatistas de todos os tempos, repostou um vídeo da garota, que segue fazendo sucesso e acumulando seguidores nas redes sociais.

Porém, apesar das conquistas, Rayssa relatou em entrevista que já sofreu preconceito na escola e até mesmo por parte de familiares por escolher praticar skate. “Eu ficava meio triste, mas queria mostrar para minha família que skate não é só coisa de menino. É como futebol. Futebol, muita gente acha que é só para menino, e eu queria mostrar que skate não é só para menino. Essa foi uma das motivações para evoluir mais", contou em entrevista à ESPN Brasil.

Ela também destacou o desejo de continuar inspirando meninas a começarem a andar de skate e principalmente permanecerem.

Após a série de títulos conquistados e grande visibilidade nas redes sociais, a “fadinha do skate” foi indicada ao Prêmio Laureus, conhecido como o Oscar dos esportes. Rayssa entrou na lista de finalistas do prêmio na categoria “melhor atleta de ação” e concorreu com aletas como Ítalo Ferreira, brasileiro campeão mundial de surf e Nyjah Huston, americano tetracampeão mundial de skate street, ambos em 2019. 

O prêmio ficou com Chloe Kim, campeã mundial de snowboard, porém a indicação foi um grande passo para fortalecer a representatividade da menina no skate brasileiro. 

Olimpíadas de Tóquio: últimas notícias