PUBLICIDADE
Mais Esportes
NOTÍCIA

Rafael Nadal não acredita que grandes torneios de tênis voltem logo: "Difícil"

Segundo melhor do mundo no ranking de tênis, espanhol não está muito otimista para a volta das competições

11:04 | 16/04/2020
Rafael Nadal é o atual segundo colocado no ranking mundial de tênis
Rafael Nadal é o atual segundo colocado no ranking mundial de tênis (Foto: MATTHEW STOCKMAN)

O tenista número 2 do mundo, o espanhol Rafael Nadal, considerou nesta quarta-feira pouco provável que as partidas voltem a ser realizadas em breve devido à pandemia do novo coronavírus, que praticamente paralisou o esporte mundial.

"O tênis é um esporte global, viajamos de país para país, temos que mobilizar muitas pessoas. Acho difícil jogar um grande torneio em curto ou médio prazo", disse Nadal em um programa especial conjunto das rádios Onda Cero e Cope.

No momento em que no futebol há especulações sobre a possibilidade do final da temporada ser disputado com portões fechados, Nadal disse que se no tênis "se pudesse jogar com portões fechados, eu ficaria feliz, mas acho que é muito difícil".

No mesmo programa, o número 1 do mundo, o sérvio Novak Djokovic, também se manifestou e afirmou que jogar com portões fechados "não é uma decisão fácil, estou pronto, mas acho que temos que esperar alguns meses".

Nadal disse, no entanto, que na situação atual em que "há muitas pessoas que estão passando por uma situação terrível... No momento, o que menos me preocupa é o tênis".

Nadal se expressou assim em um programa de rádio especial realizado por iniciativa do próprio tenista, como parte da ação de solidariedade que ele lançou no final de março com seu amigo Pau Gasol, em colaboração com a Cruz Vermelha, para arrecadar fundos para a luta contra o coronavírus.

A campanha incentivou os atletas espanhóis a aderirem com a intenção de arrecadar 11 milhões de euros.

"Já ultrapassamos sete milhões, tínhamos a meta de atingir onze milhões e já estamos com sete", disse Pau Gasol nesta quarta-feira no mesmo programa.

Nomes como ex-piloto de Fórmula 1 Fernando Alonso, o ex-goleiro do Real Madrid e da seleção espanhola Iker Casillas, o lateral do Barcelona Jordi Alba, e Carolina Marín, campeã olímpica de badminton, entre outros, contribuíram para a campanha.