PUBLICIDADE
Mais Esportes
NOTÍCIA

Com adiamento das Olimpíadas, tenista Bia Haddad espera disputar os jogos após doping

Paulista avalia que o adiamento dos jogos, que têm início marcado para 23 de julho de 2021, pode aumentar suas chances

10:29 | 30/03/2020
Bia Haddad foi suspensa por doping, mas vive expectativa de disputar os Jogos após adiamento
Bia Haddad foi suspensa por doping, mas vive expectativa de disputar os Jogos após adiamento (Foto: (Foto: Adrian DENNIS / AFP))

Por conta do adiamento dos Jogos Olímpicos, confirmado na última terça-feira, Bia Haddad vive a expectativa de fazer parte do seleto grupo de atletas que representarão o Brasil em 2021. Após se envolver em um caso de doping por contaminação cruzada e receber uma punição de 10 meses, a tenista, que estará liberada para voltar a atuar profissionalmente em menos de dois meses, terá a oportunidade de buscar um ranking suficiente para carimbar seu passaporte para Tóquio.

“Fiquei muito feliz com a decisão final do COI porque era o melhor que poderia ter acontecido. Por coincidência, também teve o adiamento da Fed Cup, que é outra competição muito importante que terei a oportunidade de participar. Então, por um lado, essa pandemia me deu uma chance maior de participar das Olimpíadas”, comentou, em entrevista exclusiva concedida à Gazeta Esportiva.

Bia também contou como a pandemia do novo coronavírus mudou – ou não – sua rotina.

“O único lado positivo da minha punição foi esse. Eu já vinha de alguns meses que não podia fazer o que gosto e quero, portanto, a quarentena não foi tão impactante para mim. Estou fazendo praticamente as mesmas coisas”, completou.

Por fim, a canhota paulista relatou como ficou sabendo do novo vírus e fez questão de lembrar a importância de se prevenir.

“Estava aqui em casa, com a minha família, escutando sobre as notícias da China. Mas, em um primeiro momento, era muito distante da gente. Por conta disso, a gente estava tomando cuidado, mas a vida ainda estava normal. Só que quando o vírus começou a se espalhar, nós passamos a prestar mais atenção e já faz 10 dias que eu e minha família estamos em casa e cuidando das pessoas, principalmente as mais idosas do meu prédio. Sempre tomando todos os cuidados necessários”, finalizou.