PUBLICIDADE
Mais Esportes
NOTÍCIA

Djokovic salva dois break points, vence Federer e fatura Wimbledon

Com o resultado, sérvio alcançou seu 16º troféu em Grand Slams, agora a apenas quatro do suíço no ranking geral

15:56 | 14/07/2019
Serbia's Novak Djokovic celebrates beating Switzerland's Roger Federer during their men's singles final on day thirteen of the 2019 Wimbledon Championships at The All England Lawn Tennis Club in Wimbledon, southwest London, on July 14, 2019. (Photo by Ben STANSALL / AFP) / RESTRICTED TO EDITORIAL USE
Serbia's Novak Djokovic celebrates beating Switzerland's Roger Federer during their men's singles final on day thirteen of the 2019 Wimbledon Championships at The All England Lawn Tennis Club in Wimbledon, southwest London, on July 14, 2019. (Photo by Ben STANSALL / AFP) / RESTRICTED TO EDITORIAL USE(Foto: Ben Stansall / AFP)

É hat-trick! Após quase cinco horas de partida, o sérvio Novak Djokovic venceu sua terceira final de Wimbledon contra Roger Federer e conquistou seu quinto título na grama neste domingo, em 3 sets a 2, com parciais de 7/6(5), 1/6, 7/6(4), 4/6 e 12/12(7-3), após quase cinco horas de partida, a maior final de todos os tempos no Grand Slam.

Com o resultado, Novak Djokovic alcançou seu 16º troféu em Grand Slams, agora a apenas quatro do suíço no ranking geral. Além disso, o tenista atual número 1 do mundo, agora com cinco títulos em Wimbledon, se igualou a Bjorn Borg como o quarto maior ganhador do torneio na era aberta. Contra Federer, este foi seu terceiro título conquistado na grama (2014, 2015 e 2019). Aos 32 anos, ele fica a dois títulos do espanhol Rafael Nadal (18 troféus), de 33 anos, e a quatro de Federer (20), de 37 anos.

Tirando o segundo set, vencido por um fácil e fora do padrão 6/1 por Roger Federer, os demais sets foram verdadeiros espetáculos de ambos os lados. No quinto, sem tie-break até 12/12 pela nova regra de Wimbledon, quem levou a melhor foi Djokovic, ao vencer a decisão por 7-3.

O jogo – O primeiro set entre os dois gigantes do tênis foi como todos esperavam: longo e decidido no tie-break. Não houve nenhuma quebra nos games normais, com cada um confirmando seus serviços normalmente e com certa tranquilidade, tirando um ou dois games que acabaram destoando dos demais. No tie-break, Djokovic chegou a abrir 3-1, mas Federer foi atrás, virou e depois o sérvio novamente empatou em 5-5 e, por fim, fechou em 7/6(5) após 58 minutos de disputa.

No segundo set, Federer voltou implacável e, com muito mais facilidade e agressividade, conseguiu empatar a partida. O sérvio errou bastante, por exemplo no último game, quando cometeu dupla falta, e deixou o suíço fazer 6/1, bem fora dos padrões vistos até então – a última vez que houve um placar tão elástico foi em Cincinnati, em 2012, com 6/0 do tenista da Basileia.

No set seguinte, as coisas voltaram ao normal, com cada um confirmando seus serviços e empatando game a game, com destaque para os incríveis saques de Federer, que confundiram – e muito – um dos maiores devolvedores da história. No tie-break, o mesmo cenário do primeiro set se repetia, com Djoko abrindo boa vantagem e Federer encostando. No entanto, o sérvio mostrou-se melhor e mais concentrado, fechando em 7/6(4).

O quarto set começou, Djokovic confirmou o serviço e saiu na frente, 1/0, porém, Federer saiu de um 15/30 e conseguiu reverter o mau momento ao empatar. O jogo foi seguindo assim, mas o suíço conseguiu duas quebras, enquanto Djokovic conseguiu sua primeira durante o duelo todo, com vitória de Federer por 6/4.

Quinto set

Djokovic começou bem o quinto set, mas o que se seguiu foi um verdadeiro jogaço, com Federer salvando três break-points no 2/2, quebra de Djokovic no 4/2, quebra do suíço como resposta no 4/3 e empate em 4/4. A partida seguiu assim, tensa e game a game, até Federer confirmar seu serviço e fazer 6/6 – em Wimbledon, não há tie-break no quinto set segundo uma nova regra implantada neste ano.

Na sequência, Djokovic e Federer confirmaram seus respectivos serviços, mas o suíço quebrou o adversário e ficou em vantagem no 8/7. A partida seguiu muito mental, com ambos confirmando seus serviços e chegando em incríveis 12/12. No tie-break, Djokovic conseguiu fazer 7/3, após erro de recepção de Federer.

O Povo