PUBLICIDADE
Esportes

Ciclistas especiais participam de ultramaratona na Bahia

Entre os dias 21 e 27 de outubro, será realizada, no sul da Bahia, uma das principais provas do calendário ciclístico brasileiro. A ultramaratona Brasil Ride conta com cerca de 600 km e quase 11.000 m de altimetria acumulada, entre trilhas e estradas de terra que ligam Arraial d?Ajuda, em Porto Seguro, à Vila Brasil [?]

11:15 | 27/07/2018

Entre os dias 21 e 27 de outubro, será realizada, no sul da Bahia, uma das principais provas do calendário ciclístico brasileiro. A ultramaratona Brasil Ride conta com cerca de 600 km e quase 11.000 m de altimetria acumulada, entre trilhas e estradas de terra que ligam Arraial d?Ajuda, em Porto Seguro, à Vila Brasil Ride, em Guaratinga.

O maior destaque da competição, contudo, fica por conta dos atletas fora de série, os PNE ? Portadores de Necessidades Especiais, que mostram que basta força de vontade e preparação para encarar a maior prova do gênero nas Américas. Thiago Ribeiro, que teve uma lesão de plexo braquial no nascimento, o que resultou em uma limitação de desenvolvimento e movimentos do seu braço direito, já participou três vezes da maratona, e falou sobre o significado disso para um atleta PNE.

?A prova se torna uma etapa em sua vida. A experiência como um todo é transformadora, você sai um atleta diferente. Faz muitas amizades e aprende a conhecer e lidar com seus limites de uma outra maneira?Como consegui ser finisher nas três edições que participei, já sou um Guarini?, comemorou o ciclista de 29 anos de idade, referindo-se à honraria que recebem os ciclistas que concluem três vezes a ultramaratona.

O carioca Gustavo Campos, de 41 anos, sofre de Amiotrofia Monomélica Benigna (AMB), uma desordem rara. Em resumo, o atleta que encontrou no ciclismo uma solução, teve uma lesão na coluna, há mais de 20 anos quando praticava jiu-jitsu, e atualmente tem somente 31% de força na perna esquerda.

?Sou feliz em ter participado de todas as provas da Brasil Ride de MTB. Mais feliz ainda de possuir em minha estante os prêmios por ter conseguido me destacar e ter me superado. Estive nas 24 Horas em Botucatu, onde fiquei em primeiro lugar. Estive no Warm Up em Botucatu e finalizei em terceiro, em uma prova de total superação. Estive na Brasil Ride no Sul da Bahia. Lá, a felicidade é suprema ao cruzar a linha de chegada após sete dias de completo sofrimento. A minha realização pessoal em todas essas provas foi total?, contou.

Na próxima temporada, a cidade de Costa Rica, no Mato Grosso do Sul, realizará de forma inédita no país uma edição do Campeonato Mundial de 24 Horas Solo de Mountain Bike. Assim, a organização da Brasil Ride está pleiteando junto à WEMBO (World Endurance Mountain Bike Organization) uma novidade que dará ainda mais motivação aos atletas PNE.

?Estou na torcida para que a organização Brasil Ride consiga abrir a categoria PNE. Vou adorar estar presente e me desafiar mais uma vez. Eles vêm incentivando esta categoria em forma de descontos e cortesias em suas inscrições para determinadas provas. Entendo que este método é um grande incentivo para atrair muito mais atletas PNE´s de todos os cantos do Brasil?, disse Gustavo Campos.

Gazeta Esportiva

TAGS