PUBLICIDADE
Esportes

Associação de Fernandópolis estimula o esporte e participa da 9 de Julho

567 quilômetros. Essa é a distância que separa Fernandópolis de São Paulo. Entretanto, nem mesmo tal número impediu que uma associação sem fins lucrativos, criada justamente para alavancar o esporte na região da cidade interiorana, pudesse participar de uma das mais tradicionais disputas de ciclismo no Brasil: a Prova Ciclística Internacional 9 de Julho. Seis [?]

19:15 | 07/07/2018

567 quilômetros. Essa é a distância que separa Fernandópolis de São Paulo. Entretanto, nem mesmo tal número impediu que uma associação sem fins lucrativos, criada justamente para alavancar o esporte na região da cidade interiorana, pudesse participar de uma das mais tradicionais disputas de ciclismo no Brasil: a Prova Ciclística Internacional 9 de Julho.

Seis membros da Afercan (Associação Fernandopolense de Ciclismo, Atletismo e Natação) compareceram ao congresso técnico da competição paulistana, a ser realizada nesta segunda-feira. Os atletas vieram ao evento, que serviu para explicar o percurso da disputa, contando também com instruções de outros ciclistas para a prova e uma verdadeira aula sobre sua história, além da distribuição dos kits e números de participação.

Ciclista casual revela ansiedade para 9 de Julho: ?Frio na barriga?

Atleta vem do Piauí para disputa da 9 de Julho: ?Meta é concluir a prova?

Prova Ciclística Internacional 9 de Julho reúne experiência e juventude

?Em Fernandópolis, montamos uma associação chamada Afercan, tentando fomentar a participação de atletas na natação, atletismo e ciclismo. Nossa intenção é participar de grandes provas tradicionais. Todos que estão aqui correm a São Silvestre, participamos também da Maratona de Santiago, e estava faltando uma disputa de ciclismo que fosse de peso?, relatou Humberto Cáfaro Filho, acompanhado de sua esposa Fátima Cáfaro e dos companheiros José Luiz e Valdir Eredia.

?A Afercan tem muita adesão em Fernandópolis. Nosso objetivo é fomentar o esporte. Apoiamos atletas, principalmente aqueles que não têm condições financeiras. Ajudamos, levamos para participar de provas, organizamos eventos. A gente chega até a levar algumas provas do calendário paulista para lá. Temos uma atleta que participou de triatlo no exterior, que começou lá com a gente. Além disso, promovemos atividades benemerentes, já que no fim do ano organizamos um pedal solidário, para apoiar entidades?, complementou.

Quanto aos objetivos para a competição paulistana, os membros da Afercan mantiveram os pés no chão e traçaram uma intenção realista: cruzar a linha de chegada da prova.

?Temos uma prova regional, que corremos em Fernandópolis. Mas resolvemos reunir este grupo para correr especialmente na 9 de Julho. A gente vem se preparando há algum tempo para a prova e estamos aí. A gente sabe que aqui, em São Paulo, principalmente na 9 de Julho, tem muitos ex-ciclistas e pessoas que já foram profissionais, apesar da idade. A intenção é fazer um bom tempo e tentar acompanhar o pelotão da frente. Mas não temos expectativas de pódio, porque o nível é muito acima?, contou Humberto.

A adesão às provas da cidade não se restringe somente à 9 de Julho. Ao menos, foi o que relatou Fátima Cáfaro, que contou uma história curiosa com relação à última edição da São Silvestre. ?A gente tem uma turma grande que vem para a São Silvestre, fechamos um ônibus até. Na última edição, trouxemos quase 40 atletas para a prova?, afirmou, antes de ser interrompida pelo marido. ?Todos devidamente credenciados, cada um com seu número e repudiando os ?pipocas? (corredores não-inscritos)?, enfatizou Humberto, aos risos.

Razão da participação nesta edição da Prova Internacional Ciclística, a associação é motivo de orgulho para Humberto e para Fernandópolis, de acordo com o próprio relato do membro da Afercan.

?É um trabalho de formiguinha que tem dado resultado. Já tivemos atletas paralímpicos que foram participar na Seleção Brasileira, que disputaram circuitos nacionais e estaduais. Conseguimos, nos jogos regionais de 2016, o maior número de medalhas da história da cidade, principalmente com esses atletas paralímpicos?, finalizou. Agora, aos membros, resta que o trabalho de formiguinha dê igualmente resultado satisfatório na 9 de Julho.

* Especial para a Gazeta Esportiva

Gazeta Esportiva

TAGS