PUBLICIDADE
Esportes

Varejão e Leandrinho ainda sonham com medalha pela Seleção

Aos 35 anos de idade, Anderson Varejão e Leandrinho vivem a reta final das respectivas carreiras. Os dois ex-jogadores da NBA, companheiros na Seleção Brasileira ao longo dos últimos anos, ainda sonham com a possibilidade de conquistar uma medalha em torneios como Mundiais e Jogos Olímpicos. ?Sabemos que não somos mais garotos, mas temos uma [?]

14:30 | 17/03/2018

Aos 35 anos de idade, Anderson Varejão e Leandrinho vivem a reta final das respectivas carreiras. Os dois ex-jogadores da NBA, companheiros na Seleção Brasileira ao longo dos últimos anos, ainda sonham com a possibilidade de conquistar uma medalha em torneios como Mundiais e Jogos Olímpicos.

?Sabemos que não somos mais garotos, mas temos uma experiência muito grande. Juntamente com a nova geração, podemos ajudar e, quem sabe, conseguir um resultado inédito para o Brasil, um resultado de peso?, afirmou Varejão, acompanhado por Leandrinho.

?Há algum tempo, até falei para o Anderson que tínhamos que dar nosso último do último para trazer alguma coisa ao Brasil?, contou. ?O basquete realmente caiu por muito tempo no país e o fato de a gente não ter conseguido medalha em um grande torneio de seleções afeta bastante?, reconheceu Leandrinho.

Experientes, os dois jogadores já foram convocados pelo croata Aleksandar Petrovic, anunciado em outubro de 2017 como treinador da Seleção Brasileira. De acordo com Anderson Varejão, o início de trabalho do estrangeiro no comando da equipe nacional vem sendo positivo.

?É um cara experiente, com currículo muito bom como jogador e técnico. Chegou com as melhores intenções possíveis, realmente para ajudar. Já está até aprendendo português e isso é importante, porque mostra que vem para somar. De momento, faz um trabalho muito bom?, elogiou.

Sob o comando de Aleksandar Petrovic, a Seleção Brasileira disputa as Eliminatórias para a edição de 2019 do Mundial, a ser realizada na China. Anderson Varejão e Leandrinho já participaram do inovador sistema de classificação para o torneio asiático.

?Não é à toa que me cuido, como direitinho, durmo as horas que tenho que dormir, treino as horas que tenho que treinar?, enumerou Leandrinho, de olho no Mundial 2019. ?É um campeonato forte, com grandes países. Tenho certeza que, independentemente de ser a última ou não, vai dar certo e vamos chegar junto?, completou.

Gazeta Esportiva

TAGS