PUBLICIDADE
Esportes

Darlan bate recorde sul-americano, mas termina em quarto no Mundial

Apenas sete centímetros separaram Darlan Romani do bronze no arremesso de peso masculino no Mundial Indoor de Birmingham, neste sábado. Apesar de não ter garantido vaga no pódio da Barclaycard Arena, na Grã-Bretanha, o brasileiro fez um desempenho bom o suficiente para quebrar o recorde sul-americano da modalidade, com 21,37m. A medalha de ouro ficou com [?]

13:00 | 03/03/2018

Apenas sete centímetros separaram Darlan Romani do bronze no arremesso de peso masculino no Mundial Indoor de Birmingham, neste sábado. Apesar de não ter garantido vaga no pódio da Barclaycard Arena, na Grã-Bretanha, o brasileiro fez um desempenho bom o suficiente para quebrar o recorde sul-americano da modalidade, com 21,37m.

A medalha de ouro ficou com o neozelandês Tomas Walsh. O campeão mundial outdoor e agora bi no indoor fez marca de 22,31m e ainda se sagrou recordista na competição. Walsh foi seguido pelo alemão David Strol e pelo tcheco Tomas Stanek. A dupla selou 21,44m na segunda metade da final e tirou o então segundo lugar de Romani. Pelos critérios de desempate, Stanek ficou com o bronze.

Darlan começou abrindo a disputa com um novo recorde sul-americano, quando marcou 21,23m e foi dono da segunda melhor marca da primeira rodada. Depois de queimar a segunda tentativa, fez 21,09m e emplacou também 20,97m e 21,04.

Na última chance, o catarinense voltou a quebrar o recorde sul-americano, com 21,37m. O marca pertencia ao argentino Germán Lauro, que fez 21,04m, em 2014, na República Tcheca. O resultado, entretanto, não foi suficiente para superar os adversários, que ficaram com o pódio. ?A medalha escapou, por um fio. Vou continuar treinando forte porque sempre quero mais. Não me contento com pouco?, disse Darlan.

Também representando o verde e amarelo, Núbia Aparecida Soares terminou o dia com a nona posição no salto triplo. Ainda assim, ela conquistou 13,97m e fez sua melhor marca na temporada. ?Tentei fazer o melhor e queria homenagear o meu treinador e não consegui?, disse a atleta, chorando, um mês após o falecimento de Aristides Junqueira, seu técnico.

No pódio, a venezuelana Yulimar Rojas subiu no lugar mais alto, fazendo 14,64m. Atrás da campeã mundial outdoor em Londres, no ano passado, veio a jamaicana Kimberly Williams, com 14,48cm. O bronze ficou para a espanhola Ana Peleteiro (14,40m).

Gazeta Esportiva

TAGS