PUBLICIDADE
Esportes

Gerente da base do São Paulo pede demissão para trabalhar em Portugal

O comando do CT de Cotia, destinado à formação de jovens talentos, estará sob novo comando em breve. Nesta segunda-feira o gerente de futebol de base do São Paulo, Rodolfo Canavesi, se desligou do clube após receber uma proposta para trabalhar no Estoril, clube da primeira divisão portuguesa e onde deverá exercer a mesma função. [?]

19:15 | 30/10/2017

O comando do CT de Cotia, destinado à formação de jovens talentos, estará sob novo comando em breve. Nesta segunda-feira o gerente de futebol de base do São Paulo, Rodolfo Canavesi, se desligou do clube após receber uma proposta para trabalhar no Estoril, clube da primeira divisão portuguesa e onde deverá exercer a mesma função.

Presente no treinamento da equipe profissional desta segunda-feira, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, ainda não definiu quem será o substituto de Canavesi em Cotia. O ex-gerente da base tricolor chegou a Cotia após Júnior Chávare decidir retornar o Grêmio em setembro de 2015.

A ida de Rodolfo Canavesi ao Estoril tem a ver com o fato de o clube habitualmente apostar em talentos brasileiros em sua equipe profissional. No atual elenco há 13 brasileiros, dez deles com 22 anos ou menos, incluindo Lucão e Lucas Evangelista, ambos formados em Cotia.

Durante o período em que Rodolfo Canavesi permaneceu no comando do CT da base são-paulina, o clube conquistou importantes campeonatos. Para se ter uma ideia, somente em 2016 foram nada mais, nada menos que 20 troféus erguidos. A categoria mais vencedora foi a sub-20, que se sagrou campeã em cinco torneios: Copa Libertadores, Copa Ouro, Copa do Brasil, Campeonato Paulista e Copa RS.

A força do São Paulo nas categorias de base fez também com que o clube procurasse uma solução para seus recorrentes problemas nas últimas temporadas em Cotia. Neste ano, por exemplo, o Tricolor conseguiu lucrar uma quantia milionária ao lanças dois jovens talentos: David Neres e Luiz Araújo. O primeiro fez apenas oito jogos com o time profissional e acabou negociado com o Ajax por R$ 41 milões, já o segundo acertou sua transferência para o Lille, da França, que desembolsou R$ 29 milhões para contar com um dos principais atletas da equipe comandada à época por Rogério Ceni.

Gazeta Esportiva

TAGS