PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Técnico vice-campeão do mundo com a Argentina, Alejandro Sabella morre aos 66 anos

Treinador levou a geração de Messi e companhia até decisão da Copa do Mundo do Brasil de 2014, perdendo para a Alemanha

Victor Hugo Pinheiro
16:57 | 08/12/2020
Alejandro Sabella conversa com Messi durante a Copa do Mundo do Brasil, realizada em 2014 (Foto: François-Xavier MARIT / AFP)
Alejandro Sabella conversa com Messi durante a Copa do Mundo do Brasil, realizada em 2014 (Foto: François-Xavier MARIT / AFP)

O técnico vice-campeão do mundo com Argentina em 2014, Alejandro Sabella morreu aos 66 anos, nesta terça-feira, 8, após sofrer infecção hospitalar e não resistir. A informação da morte do treinador foi divulgada pelo site argentino Clarín. Ele sofria de uma grave doença cardíaca desde 2015, e seu estado de saúde piorou ao saber da morte de Diego Maradona.

Sabella foi internado no último dia 26 de novembro, onde permaneceu até vir a óbito. Depois da Copa do Mundo de 2014, o técnico deixou o comando da Argentina, e ficou afastado do futebol. Na final no Maracanã, a Albiceleste perdeu para a Alemanha, por 1 a 0, na prorrogação. O desempenho no Mundial do Brasil foi o melhor dos argentinos em 24 anos, desde o vice para a mesma Alemanha, em 1990.

Nascido em 1954, começou sua carreira como jogador de futebol, chegando a vestir a camisa do Grêmio entre 1985 e 1968. Após encerrar a trajetória dentro das quatro linhas, começou a trabalhar como assistente técnico. Em 2009, assumiu o Estudiantes-ARG como técnico principal, e conquistou no mesmo ano a Taça Libertadores, derrotando o Cruzeiro na decisão. Além do torneio continental, ganhou o Apertura de 2010.

Assumiu a Argentina em 2011, levando a seleção à Copa do Mundo do Brasil, terminando as Eliminatórias da América do Sul com a melhor campanha. No Mundial, fechou a fase de grupos na primeira colocação F, com nove pontos. Nas oitavas e quartas de finais, eliminou Suíça e Bélgica, respectivamente, vencendo por 1 a 0 em ambos os jogos. Já nas semifinais, passou pela Holanda nos pênaltis.