PUBLICIDADE
Analise

Análise: Liverpool, rival do Flamengo, jogará final em uma fase excepcional

Em busca de conquista inédita, Liverpool consegue arrancar vitórias até mesmo quando não tem atuações inspiradas

19:26 | 18/12/2019
Liverpool venceu Chelsea nos pênaltis após empate no tempo normal (Foto: Ozan Kose/AFP)
Liverpool venceu Chelsea nos pênaltis após empate no tempo normal (Foto: Ozan Kose/AFP) (Foto: AFP)

A final do Mundial de Clubes deste ano será uma reedição de 81. Flamengo e Liverpool voltam a se encontrar em uma decisão 38 anos depois. Na ocasião, o clube carioca resolveu o jogo ainda no primeiro tempo - com dois gols de Nunes e um de Adílio. No segundo tempo, o Rubro-Negro apenas administrou o placar e venceu por 3 a 0. Apesar do primeiro encontro entre as equipes ter sido uma vitória fácil do time brasileiro, a tendência é que o jogo de sábado, às 14h30min, seja um confronto complicadíssimo para os comandados de Jorge Jesus.

Se por um lado o Flamengo quer o bicampeonato Mundial, o Liverpool busca uma taça inédita para sua prateleira. Os Reds têm em seus histórico de glórias: seis Liga dos Campeões, três da Liga Europa, 18 Campeonatos Ingleses e sete Copas da Inglaterra.

Embalado pela conquista da Liga dos Campeões, da temporada passada, o Liverpool chega à final do Mundial com um desempenho espetacular. Contando todos os jogos disputados em 2019/20, os Reds venceram 22 jogos, empataram quatro e perderam apenas dois. No entanto, é preciso mostrar que o rendimento do clube inglês está sendo positivo desde 17/18, quando chegou até a final da competição continental e acabou derrotado pelo Real Madrid, por 3 a 1. Para muitos, caso Salah não tivesse se machucado na decisão, o resultado poderia ter sido melhor à favor do time vermelho.

Após superar o trauma da derrota para o Real Madrid, o Liverpool iniciou a temporada seguinte mostrando que estava disposto a chegar no topo da Inglaterra e da Europa. Sem conquistar o Campeonato Inglês desde 1990, a equipe terminou em segundo colocado, com 97 pontos, apenas um ponto atrás do campeão Manchester City. Mesmo sem a taça, a campanha coroou o melhor desempenho de um vice-campeão em toda a história da liga inglesa.

Se os Reds saíram do Campeonato Inglês de mãos vazias, o mesmo não aconteceu na Liga dos Campeões. Com uma campanha de oito vitórias, um empate e duas derrotas, o Liverpool ficou troféu mais desejado da Europa. Um jogos mais marcantes da caminhada vitoriosa foi a classificação diante do Barcelona. Na partida de ida, no Camp Nou, o placar acabou em 3 a 0 para os espanhóis.

Já no jogo de volta, mesmo desfalcado de Salah e Firmino, dois heróis improváveis garantiram os ingleses na final. Wijnaldum e Origi, com dois gols cada, sacramentaram o milagre dos comandados de Jurgen Klopp. Após o 4 a 0, na segunda partida da semifinal, o título veio com uma vitória contra o Tottenham pelo placar de 2 a 0.

A campanha perfeita, até o momento, no Campeonato Inglês — são 16 vitórias e um empate — comprova o trabalho consolidado de Jurgen Klopp e uma filosofia de jogo encaixada. Jogadas em profundidade para os laterais, Alexander-Arnold e Robertson, são uma das principais marcas do time inglês. Outra força é o tridente ofensivo formado por Salah, Mané e Firmino, que deve ser uma dor de cabeça para a defesa do Flamengo.

O triunfo sofrido diante do Monterrey, com gol de Firmino nos acréscimos, deve ter deixado lições para Klopp, e os erros defensivos cometidos podem ser fatais para um ataque formado por Gabigol, Bruno Henrique e Arrascaeta. No entanto, o inteligente comandante alemão deve assistir alguns jogos do Flamengo até o sábado, 21. Resta saber se o pouco tempo de preparação será suficiente para a correção dos erros e anular as armas do Rubro-Negro.