PUBLICIDADE
Vasco

Após derrota na final, Zé Ricardo promete manter time motivado

O técnico Zé Ricardo admitiu que a derrota para o Botafogo, na decisão do Campeonato Carioca, foi um golpe duro na comissão técnica e nos jogadores do Vasco, mas que acredita na recuperação do grupo, até porque eles estão envolvidos em outras competições e precisam reagir logo. “Eu tenho que ser o espelho. Vamos assimilar […]

20:30 | 08/04/2018

O técnico Zé Ricardo admitiu que a derrota para o Botafogo, na decisão do Campeonato Carioca, foi um golpe duro na comissão técnica e nos jogadores do Vasco, mas que acredita na recuperação do grupo, até porque eles estão envolvidos em outras competições e precisam reagir logo.

“Eu tenho que ser o espelho. Vamos assimilar e ver que faz parte do processo de amadurecimento. Vamos batalhar para o próximo capítulo” disse o comandante do Gigante da Colina.

Na entrevista coletiva, o treinador cruzmaltino disse que a derrota doeu muito porque o Vasco enfrenta um período de recuperação e a conquista seria muito importante para o clube.

“Disse aos jogadores no vestiário que não ia falar nenhuma frase motivadora. Só agradeci a dedicação. Estamos muito machucados, mas a vida precisa continuar”, afirmou.

Zé Ricardo descartou a contratação de reforços e disse que o elenco tem muitos jogadores de qualidade que ainda serão muito aproveitados. Ele citou Breno, Ramon, Kelvin, Marcelo Mattos, Paulinho, Rildo e Giovanni Augusto como opções para serem utilizadas durante a temporada.

O técnico também elogiou o desempenho da defesa, que vinha sendo muito criticada e analisou que a equipe sofreu um gol quase acidental em jogada muito confusa, nos acréscimos.

“Foi um bate-rebate, é difícil, foi muito rápido, no abafa. Poderia sobrar para nós, mas sobrou para o Joel (Carli)”.

Em relação aos pênaltis, o treinador contou que Henrique ficou muito chateado por ter perdido a cobrança decisiva, mas que não pode se considerar culpado, pois foi vítima da fatalidade e da competência de Gatito Fernández.

“Nos pênaltis, eram dois grandes goleiros. O Gatito pegou dois, o Martín um. Poderia ser o contrário”.

Gazeta Esportiva