Polícia do Paraná busca mais três suspeitos pela morte de DanielSão Paulo Futebol Clube | Times | Esportes O POVO
PUBLICIDADE
Esportes


Polícia do Paraná busca mais três suspeitos pela morte de Daniel

O empresário Edison Brittes Junior, de 38 anos, foi preso nesta quinta-feira e admitiu ter assassinado o jogador Daniel, morto no último sábado. Sua esposa e filha também foram detidas para averiguações. A Polícia Civil ainda está em busca de mais três suspeitos pelo crime, informou o delegado Amadeu Trevisan, da Delegacia de São José [?]

18:30 | 01/11/2018

O empresário Edison Brittes Junior, de 38 anos, foi preso nesta quinta-feira e admitiu ter assassinado o jogador Daniel, morto no último sábado. Sua esposa e filha também foram detidas para averiguações. A Polícia Civil ainda está em busca de mais três suspeitos pelo crime, informou o delegado Amadeu Trevisan, da Delegacia de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, onde ocorreu o homicídio.

?As duas mulheres estão presas porque estiveram o tempo todo no palco do crime. Possivelmente algum tipo de auxílio devem ter dado. E estamos identificando mais essas três pessoas, porque sozinho ele (Brittes) não fez isso?, afirmou Trevisan, nesta quinta-feira.

Com o pênis decepado por uma faca e cortes profundos no pescoço, Daniel foi encontrado morto na noite do último domingo, numa estrada de terra na Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais.

O crime, de motivação passional, ocorreu após uma festa de 18 anos da filha de Edison Brittes. Segundo o delegado, ela teria convidado Daniel para a festa, que contou com cerca de dez pessoas. Na casa do empresário, Daniel teria aproveitado o estado de embriaguez da esposa de Brittes para se trancar no quarto e tirar fotos ao lado dela.

?Por volta das 8 horas da manhã, o Daniel teria sido flagrado na cama com a Cristina Regina Brittes. Ali iniciou-se o espancamento. O rapaz não tinha como reagir, porque tinham mais pessoas do sexo masculino na casa, que já estamos identificando. Ele sai do carro já desacordado e dali é levado ao local onde é encontrado morto?, relatou Trevisan.

?Sabemos até agora que o Edison estava no carro. Estamos identificando quais são as outras três pessoas que estavam com ele. Ainda não há mandado de prisão contra essas pessoas. Todas elas serão identificadas, e irão prestar contas na Justiça?, declarou o delegado, que não confirma a tentativa de estupro por parte de Daniel.

?Teremos que apurar na hora em que ouvirmos a mulher. Não sabemos se houve essa tentativa de estupro, ou se a vítima (Daniel) simplesmente se deitou na cama e tirou a fotografia?, explicou.

Possível envolvimento com crime organizado

Por fim, o delegado não descartou informações que revelariam envolvimento de Brittes com crime organizado. O empresário já possui extensa ficha criminal por porte ilegal de arma, adulteração de veículo e ameaça contra a pessoa, ações ocorridas entre 2005 e 2018.

?Não diria que (as informações) são falsas, mas ainda não apuramos se há ligação com crime (organizado). O que interessa à Polícia Judiciária neste primeiro momento é fazer os levantamentos de local, identificar vítima e em seguida procurar os autores?, afirmou Amadeu Trevisan.

?Vamos provar que ele (Edison Brittes) realmente matou e que fez isso de uma maneira cruel e desnecessária. Quando vimos o corpo, já sabíamos que se tratava de um crime de conotação sexual e que ele não tinha feito aquilo sozinho?, concluiu.

Mineiro de Juiz de Fora, Daniel foi morto aos 24 anos. Revelado pelo Cruzeiro, o meio-campista passou por Botafogo, Coritiba e Ponte Preta, e estava emprestado pelo São Paulo ao São Bento, que disputa a Série B do Campeonato Brasileiro.

Gazeta Esportiva

TAGS