PUBLICIDADE
Esportes

Bola aérea, passe e marcação: o que o São Paulo pode perder sem Militão

Vendido ao Porto por 7 milhões de euros (R$ 30,3 milhões na cotação atual), Éder Militão ainda poderá defender o São Paulo pelos próximos quatro jogos, graças a um acordo com o clube português. A começar pelo duelo com o Grêmio, previsto para esta quinta-feira, às 19h30 (de Brasília), em Porto Alegre, pela 15ª rodada [?]

08:15 | 26/07/2018

Vendido ao Porto por 7 milhões de euros (R$ 30,3 milhões na cotação atual), Éder Militão ainda poderá defender o São Paulo pelos próximos quatro jogos, graças a um acordo com o clube português. A começar pelo duelo com o Grêmio, previsto para esta quinta-feira, às 19h30 (de Brasília), em Porto Alegre, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Na sequência, o Tricolor encara Cruzeiro (29/07), Colón-ARG (02/08) e Vasco (05/08). Como está pendurado com dois cartões amarelos, o jogador poderá desfalcar a equipe em uma das partidas válidas pelo Brasileirão.

Seja como for, após esse período, o técnico Diego Aguirre será obrigado a armar a equipe sem o atleta, que realizará o seu sonho de jogar no futebol europeu. Embora encare as vendas dos jogadores com naturalidade, o treinador uruguaio terá de se conformar com as implicações que a saída de Militão levará ao time.

E elas irão interferir tanto na parte defensiva quanto na ofensiva. Zagueiro e volante nos tempos da base, Militão se notabilizou como lateral direito no profissional. O primeiro a testá-lo na função foi Rogério Ceni, em 2017, mas foi com Dorival Júnior que ele se estabeleceu na posição, já que Bruno e Buffarini vinham mal na temporada.

O antecessor de Diego Aguirre entendeu que Militão levava mais segurança ao setor, graças a seu poder de marcação. Apesar de medir 1,86m, o jogador é veloz e consegue fazer frente aos velocistas adversários. Tanto que é o segundo colocado da equipe em desarmes no Brasileirão, com 33 roubadas de bola, ficando só atrás de Hudson, com 39.

A sua altura, na verdade, nunca foi um problema. Pelo contrário. Além de ajudar na bola área defensiva, Militão usou a cabeça para marcar três de seus quatro gols com a camisa tricolor. O novo reforço do Porto, no entanto, também tem qualidade com os pés. Afinal ele é o segundo melhor do São Paulo no torneio nacional em número de passes certos: são 343, nove a menos que Jucilei.

Pelo time profissional do Tricolor, até o momento, Militão disputou 54 jogos, com 25 vitórias, 14 empates e 15 derrotas. Ele marcou quatro gols pela equipe e ainda distribuiu duas assistências.

Precavido, o São Paulo repatriou o lateral direito Bruno Peres, da Roma, que assinou contrato de empréstimo até o final de 2019. Diferentemente de Militão, o ex-Santos ficou mais conhecido por sua ofensividade, embora garanta ter melhorado defensivamente enquanto atuou na Itália.

Atualmente, Bruno Peres aprimora a forma física após o período de férias no futebol europeu. Régis, que recentemente teve o contrato reativado, é outro que em breve deverá ser opção no setor. Já Araruna, volante de origem, pode jogar improvisado na lateral direita.

Gazeta Esportiva

TAGS