Santos pode readmitir funcionário acusado de erro no caso SánchezSantos Futebol Clube | Times | Esportes O POVO
PUBLICIDADE
Esportes


Santos pode readmitir funcionário acusado de erro no caso Sánchez

O Santos pode readmitir Felipe Nóbrega, funcionário demitido após acusação de erro no caso de Carlos Sánchez, escalado de forma irregular de acordo com a Conmebol na Libertadores da América. O Comitê de Gestão se reunirá na próxima segunda-feira, na Vila Belmiro, e o retorno do profissional é uma das pautas. Os membros do colegiado [?]

06:15 | 31/08/2018

O Santos pode readmitir Felipe Nóbrega, funcionário demitido após acusação de erro no caso de Carlos Sánchez, escalado de forma irregular de acordo com a Conmebol na Libertadores da América.

O Comitê de Gestão se reunirá na próxima segunda-feira, na Vila Belmiro, e o retorno do profissional é uma das pautas. Os membros do colegiado não foram consultados sobre o desligamento de Nóbrega pelo presidente José Carlos Peres.

Felipe estava há 11 anos no Peixe, era membro do departamento jurídico e um dos responsáveis pelo registro de atletas. Várias pessoas do alvinegro entendem que ele foi ?boi de piranha?, em uma forma de encontrar vilões para o erro.

O gerente jurídico do Santos, Rodrigo Gama Monteiro, afirma que Felipe Nóbrega esqueceu de cumprir um protocolo estipulado no departamento. O presidente José Carlos Peres, porém, disse que a demissão não teve a ver com Sánchez?

?Quando eu cheguei ao Santos, instituí protocolo de investigação de jogadores e inscrições. Se há condição ou não. De antemão ressalto, em qualquer clube do Brasil são dois departamentos responsáveis pela legalidade de jogadores. Departamento de futebol + registros. Instituí protocolo de checagem, envolvia entrevista de jogadores, com cartões pela Conmebol, sistema de gestão da CBF com verificação em clubes anteriores, havia também checagem no sistema Comet, sistema legítimo, 10 funcionalidades e precisam reconhecer, mas Conmebol não achou legítimo. Protocolo não foi cumprido pelo responsável pelo registro de transferências. Perguntei no dia seguinte ao jogo, depois de publicação no Diário Olé, se havia cumprido o protocolo. Funcionário disse que não. E chegamos onde chegamos. Foi isso que aconteceu e foi mandado embora. Foi instituído e se tivesse seguido à risca, certamente não sofreria a situação. Infelizmente, esqueceu e não fez?, disse o gerente jurídico.

?Está havendo uma confusão. Tínhamos feito demissão de outro na sexta, estamos fazendo uma reforma e chegou a vez dele. Quiseram ligar uma coisa na outra. Se basearam no sistema Comet e não teria motivo para mandar embora. Não foi por justa causa, é uma arrumada no clube. Demissões todos os dias ou quase sempre para transformarmos o clube no tamanho que tem que ter, não muito maior hoje?, disse o presidente, em evento na Federação Paulista de Futebol?, afirmou o presidente.

O presidente José Carlos Peres desconfia da oposição e não desiste da defesa do caso Carlos Sánchez na Conmebol ou até no CAS (Comissão Arbitrária do Esporte). O gerente jurídico Rodrigo Gama Monteiro também afirmou que vai até as últimas instâncias para reverter o 3 a 0 aplicado na ida das oitavas de final da Libertadores, em Avellaneda. Com o 0 a 0 no Pacaembu, o Santos foi eliminado.

Gazeta Esportiva

TAGS