Cuca relata problemas na atuação do Santos no mercado: ?Espécie de parlamento?Santos Futebol Clube | Times | Esportes O POVO
PUBLICIDADE
Esportes


Cuca relata problemas na atuação do Santos no mercado: ?Espécie de parlamento?

Há três semanas no Santos, Cuca percebeu a dificuldade do clube para atuar no mercado em busca de contratações, diferentemente de outras equipes por onde passou. O executivo de futebol Ricardo Gomes e o técnico não têm autonomia para aprovar atletas. Além da opinião do presidente José Carlos Peres, o Comitê de Gestão com o vice [?]

15:30 | 20/08/2018

Há três semanas no Santos, Cuca percebeu a dificuldade do clube para atuar no mercado em busca de contratações, diferentemente de outras equipes por onde passou.

O executivo de futebol Ricardo Gomes e o técnico não têm autonomia para aprovar atletas. Além da opinião do presidente José Carlos Peres, o Comitê de Gestão com o vice Orlando Rollo e outros quatro membros (Estevam Juhas, Fabio Gaia, Pedro Doria e Zé Carlos Oliveira) é ouvido.

?Santos tem gestão diferenciada, uma espécie de parlamento. São seis cabeças, presidente, vice e mais quatro. Para ser aprovado tem que passar por eles. Reprovação dificulta muito. Tem muita dificuldade em cima de contratação e temos que saber lidar. É o modelo do Santos?, disse Cuca, em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva.

No Palmeiras, Atlético-MG e São Paulo, por exemplo, Cuca pediu jogadores e foi cobrado pelo desempenho dos indicados. No Santos, várias negociações aprovadas pelo treinador fracassaram, como Nicolás Blandi, Marcelo Moreno e Vagner Love.

?Não só Mattos, Maluf, Kalil, Juvenal Juvêncio? São regimes diferentes, não estou falando em certo ou errado. Fui no Palmeiras, indiquei, trouxeram e cobraram resultado. No Atlético, São Paulo e Fluminense a mesma forma. Aqui tem que ser assim, dar para o treinador o que quer, com confiança porque contratou e cobrar resultado. Se andar no inverso, não dá pra cobrar. Isso tem que ser pensado?, analisou.

Cuca vê a mesma dificuldade sentida pelo diretor Ricardo Gomes. O executivo foi técnico e, no dia a dia, não tem a carta branca prometida em sua apresentação.

?Vejo o Ricardo como exemplo em todos os sentidos, de vida, pessoa, ser humano e baita profissional como jogador e treinador. Um baita cara e com dificuldade enorme da maneira como é a gestão. Se não há regime presidencial, imagina diretor. Está se adaptando a essa coisa nova?, concluiu.

Cuca e Ricardo Gomes priorizam neste momento a contratação de um centroavante para fechar o elenco no segundo semestre: Junior Brandão, do Atlético-GO, e Junior Santos, da Ponte Preta, foram indicados. 

Gazeta Esportiva

TAGS