PUBLICIDADE
Esportes

Corinthians x Santos tem escassez de um 9 e ?desequilíbrio? de meias

Corinthians e Santos vão se enfrentar nesta quarta-feira, às 21h (de Brasília), na arena, pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro, com uma deficiência em comum e desequilíbrio entre um dos setores dos times. Timão e Peixe sentem a falta de um centroavante. Em compensação, os donos da casa têm atuado no 4-2-4 com quatro meias [?]

07:15 | 05/06/2018

Corinthians e Santos vão se enfrentar nesta quarta-feira, às 21h (de Brasília), na arena, pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro, com uma deficiência em comum e desequilíbrio entre um dos setores dos times.

Profusão de meias, escassez de 9s no Corinthians

No Corinthians, a constatação de que compensava mais encher o time com armadores de qualidade do que apostar em centroavantes de pouco recurso técnico se deu no primeiro grande desafio do ano: Derby em casa, contra o invicto Palmeiras, no momento em que a classificação para o mata-mata do Paulista parecia em risco.

Depois de ir à reserva no anterior e abrir a entrada de um volante (Renê Júnior) na equipe, Jadson tomou a vaga de Júnior Dutra e o Alvinegro fez 2 a 0 na Arena, sem dar chances ao rival. Após não encaixar com Dutra, Kazim e até Emerson Sheik, testado devido a lesões dos titulares, o Corinthians viu na ausência da referência o seu diferencial para a temporada.

Com a vitória e o sucesso da fórmula, ainda com dois atacantes pelos lados (Clayson e Romero), o então técnico Fábio Carille achou um jeito de jogar sem a necessidade de um centroavante, pedido várias vezes por ele próprio. Foi assim que o time chegou ao título do Paulista e avançou nas Copas do Brasil e Libertadores, além de um campanha razoável no Brasileiro.

Dessa forma, quando Roger chegou ao time no mês passado, a regra já era atuar no 4-2-4, sem a necessidade de um nome mais à frente para que os gols chegassem, colocando dúvida sobre a sua condição de titular da equipe. ?Não é o momento para mexer. Na parada para Copa, com tempo para treinar, podemos mudar?, dizia Carille, em lógica que deve ser repetida por Loss.

O que mudou desde então é que, no entanto, o Alvinegro não havia atuado sem atacantes de origem, cenário que tornou-se realidade nos últimos dois jogos. Clayson e Romero, lesionados, abriram espaço para que a linha de quatro jogadores ofensivos fosse completada por Mateus Vital e Pedrinho, resultando em uma vitória sobre o América-MG e o revés frente ao Flamengo.

O quarteto com Jadson e Rodriguinho só não será repetido na quarta porque o camisa 10 sofreu uma lesão muscular na coxa direita e deve parar até a Copa do Mundo. Dessa forma, Loss tem uma única opção para manter o quarteto de armadores: Marquinhos Gabriel. Os outros (Roger, Júnior Dutra e Kazim) retomariam a briga pela ascensão de um 9 que mereça a titularidade, voltando o esquema ao 4-2-3-1.

Tentativa e erro no Santos

O Santos diz, desde dezembro, que prioridade a contratação de um meia para substituir Lucas Lima, hoje no Palmeiras. E esse armador nunca chegou. A expectativa é que, finalmente, o camisa 10 chegue depois da Copa do Mundo na Rússia. Há nomes em pauta como Lucas Zelarayán, Bryan Ruiz e Paulo Henrique Ganso.

Sem o cérebro no meio-campo, o técnico Jair Ventura testou diversos jogadores no primeiro semestre. Vecchio, Diogo Vitor, Vitor Bueno, Gabriel Calabres, Léo Cittadini? Nenhum se firmou. A ?solução? do momento é ter dois volantes técnicos e um meia-atacante.

Jair deu sequência para Diego Pituca e Renato à frente da defesa e Jean Mota pelo meio, com Rodrygo e Gabigol pelos lados e Eduardo Sasha centralizado. A opção deu errado na derrota por 2 a 0 para o Atlético-PR, mas muito certo nos 5 a 2 diante do Vitória.

Com Pituca, Renato e Jean, a ideia é dividir a armação e não ter um único responsável pelo último passe. Os três atacantes ainda têm liberdade para voltar e criar. Na goleada do último domingo na Vila Belmiro, Diego Pituca deu duas assistências e Gabigol e Rodrygo uma.

Uma alternativa tática, assim como o Corinthians, é o 4-2-4 com Rodrygo mais recuado e Bruno Henrique na frente. O camisa 11 será opção no banco de reservas do clássico após se recuperar de lesão muscular na coxa esquerda e dores no quadril. Jair Ventura não esconde a vontade de escalar o time assim.

Gazeta Esportiva

TAGS