PUBLICIDADE
Palmeiras

Guerra vê protesto como normal: “Nada aconteceu com jogadores”

O protesto da torcida do Palmeiras contra jogadores e comissão técnica após a derrota no Derby do último final de semana foi normal. Essa é a opinião do meia Guerra, escolhido pela assessoria de imprensa do clube para conceder a primeira entrevista coletiva na Academia de Futebol após o clássico. “A assessoria me chamou (para […]

15:30 | 15/05/2018

O protesto da torcida do Palmeiras contra jogadores e comissão técnica após a derrota no Derby do último final de semana foi normal. Essa é a opinião do meia Guerra, escolhido pela assessoria de imprensa do clube para conceder a primeira entrevista coletiva na Academia de Futebol após o clássico.

“A assessoria me chamou (para dar entrevista) e tenho credenciais para estar aqui em nome do grupo. Depois da derrota no clássico todos os jogadores estão tristes. Não vencemos e chegar aqui e ver parte da torcida um pouco brava e protestando é normal. Eles querem o melhor para o grupo, acreditam em nós e não aconteceu nenhuma agressão com os jogadores. Ninguém saiu machucado, nada”, disse o venezuelano.

Em vídeo veiculado pelo programa Mesa Redonda, da TV Gazeta, o ônibus da delegação alviverde aparece tentando entrar nas dependências internas da Academia, enquanto torcedores xingam os jogadores em tom de cobrança. A Mancha Alviverde, principal organizada do clube, ainda pediu a demissão do técnico Roger Machado, derrotado três vezes pelo Corinthians na atual temporada.

“Eu não senti pedra no ônibus, em nenhum momento. Eles (torcedores) fizeram barulho, mas não senti pedras. Lógico que eles estavam bravos, e se estão assim é porque acreditam na equipe que pode dar mais e para isto estamos trabalhando, para melhorar a cada dia”, completou.

O Derby encerrou uma sequência de quatro jogos do Palmeiras como visitante. O Verdão, que tem o melhor aproveitamento do país como visitante, venceu Alianza Lima, Atlético-PR e América-MG no período, antes de ser derrotado pelo maior rival.

“Os torcedores estavam com raiva, mas penso que o grupo tem que ficar tranquilo, porque era uma sequência fora de casa, vencemos três de quatro jogos, perdemos o clássico, mas é um campeonato longo e está começando. Estamos bem e agora é mudar a página para a Libertadores”, concluiu.

Gazeta Esportiva