PUBLICIDADE
Fortaleza Esporte Clube
NOTÍCIA

Jackson revela ansiedade para voltar a jogar, mas pontua: "Acima de tudo com segurança"

Zagueiro do Fortaleza também falou sobre a disputa de titularidade no clube

14:43 | 29/06/2020
Jackson pontuou que a segurança precisa vim em primeiro lugar antes do retorno do futebol  (Foto: Bruno Oliveira/Fortaleza EC)
Jackson pontuou que a segurança precisa vim em primeiro lugar antes do retorno do futebol (Foto: Bruno Oliveira/Fortaleza EC)

O futebol está marcado para retornar oficialmente após o dia 20 de julho no Estado do Ceará, com a volta do Campeonato Cearense. Nesta segunda-feira, 29, o zagueiro Jackson, do Fortaleza, disse em entrevista que está ansioso para voltar a jogar, mas reforçou que a segurança precisa estar em primeiro lugar.

"(Essa pandemia) É uma coisa que ninguém tinha vivido, é um momento difícil para todo mundo e a gente espera poder voltar o quanto antes, mas acima de tudo com segurança", disse o jogador, que ainda destacou evolução do Fortaleza nos treinamentos presenciais, que acontecem no Centro de Treinamento Ribamar Bezerra desde o dia 2 de junho.

Jackson sofreu uma lesão no ano passado, que acabou quebrando uma sequência de jogos que o atleta vinha tendo. Na atual temporada, o zagueiro entende que vai precisar lutar pela titularidade, mas garante que o clube está bem representado independente de quem vai a campo.

"O ano passado me atrapalhou um pouquinho a lesão. Há muito tempo não jogava com certa frequência e espero que esse ano, com mais tempo de trabalho, me condicionando bem, espero jogar mais. Se tem falado muito de jogar três vezes na semana, e isso o bom dessa situação é que a gente tem um elenco qualificado, independente de quem jogue, o time vai estar bem representado. Mas o meu foco sempre vai ser a titularidade", reforçou o atleta.

O Fortaleza segue os treinamentos presenciais, se preparando para a volta do futebol. No Estado, oficialmente, a retomada do Campeonato Cearense está marcada para após dia 20 de julho. A FCF havia pedido ao governo que antecipasse a data para dia 6 de junho, já descartado pelo governador Camilo Santana.