Participamos do

Felipe Alves, goleiro do Fortaleza, revela preocupação com o ritmo de jogo

Utilizado como líbero, o jogador costuma atuar integrado ao esquema tático do time e sabe que uma erro simples pode terminar em um gol sofrido
19:06 | Jun. 22, 2020
Autor Brenno Rebouças
Foto do autor
Brenno Rebouças Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Fortaleza entrou na quarta semana de treinamentos em campo, nesta segunda-feira, 22, e ainda não há definição exata da volta do futebol, o que significa que há um tempo indeterminado de trabalho pela frente. Por conta disso, os atleta não se preocupam muito com a condição física em que vão chegar para as partidas, mas sim com a parte técnico-tática.

Para os goleiro, especificamente, a preocupação é ainda maior. Em coletiva, Felipe Alves destacou que a questão principal é o ritmo de jogo, principalmente porque ele costuma ser utilizado no esquema tático do clube, por vezes avançando até o meio do campo.

"O goleiro, individualmente falando, perde um pouco mais (de ritmo) por conta do tempo de bola, leitura de jogo, cobertura e a gente que joga um pouco mais adiantado precisa estar nesse time pra não errar, porque na verdade a gente tem que ser cirúrgico ali atrás. Um erro de cálculo, de tomada de decisão, de posicionamento, a gente acaba tomando um gol que acaba sendo questionável, então pra gente é mais delicado e complicado o aspecto de ritmo de jogo”, avalia o goleiro titular do Fortaleza.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Nesse ponto, não há solução a não ser jogar. Felipe Alves acredita, no entanto, que com a condição física em dias é mais fácil recuperar o ritmo. "Esse time do jogar e competir a gente só adquire jogando mesmo, que é o detalhe maior da competição, mas creio que quando começarem os jogos vai estar todo mundo na parte física ideal e esses detalhes aí a gente acaba pegando com o decorrer das competições", disse.

Para o arqueiro, ele próprio e os companheiros de posição estão no mesmo nível físico dos demais atletas. “Parte física, creio que seja igual para todos (...) mesmo os goleiros trabalhando valências diferentes do pessoal de linha, mas a gente tem dois treinadores de goleiros muito competentes", acredita.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags