PUBLICIDADE
Fortaleza Esporte Clube
NOTÍCIA

Paz enumera perdas de receitas no Fortaleza para abril, mas garante equilíbrio financeiro até maio

Só com vendas nas lojas do clube, dirigente prevê faturamento dez vezes menor

Brenno Rebouças
17:09 | 30/03/2020
Marcelo Paz diz que se a paralisação se estender além de maio será necessário fazer nova engenharia
Marcelo Paz diz que se a paralisação se estender além de maio será necessário fazer nova engenharia (Foto: Brenno Rebouças/O POVO)

Sem receitas com bilheterias, sem cotas de avanço em competições no estilo mata-mata e com receio de uma queda na arrecadação do programa de sócios-torcedores, tudo isso por conta da paralisação da temporada de futebol por causa do coronavírus, o presidente do Fortaleza, Marcelo Paz, disse que o time está preparado para superar esse momento de crise financeira até maio. Se a suspensão de jogos se estender além disso, novos planos terão que ser traçados.

Em entrevista ao programa BandSports Online, Paz relatou algumas receitas que entrariam agora em abril e que vão fazer falta. “Lojas, em abril de 2019, vendemos R$ 1,5 milhão. Neste mês, com tudo fechado, não vai vender R$ 150 mil. Sócio-torcedor é possível que haja uma perda também. Não tivemos essa perda no momento, mas se avançar, podemos ter. Bilheteria é perda certa. Teríamos clássico com o Ceará, semi do Cearense, Copa do Nordeste. E cotas também, receitas que certamente não entram nesse período”, explicou.

Recentemente o clube fez um acordo de redução salarial com seus atletas e os dirigentes também abriram mão de parte de seus salários. A ideia foi fazer com que o clube se mantivesse equilibrado e não precisasse demitir nenhum funcionário.

Em 15 de abril, a CBF deve voltar a discutir sobre o retorno das competições, talvez para maio. Caso isso aconteça, melhor para o Leão, que está seguro até lá. “Nos preparamos para superar o mês de abril - mês de março já reflete em abril também - e alguma coisa para maio. Se estender por mais tempo, vamos ter que fazer outras engenharias. Nossa prioridade é manter os funcionários”, garante o presidente.