PUBLICIDADE
Fortaleza Esporte Clube
NOTÍCIA

Criança e servidor público torcedores do Fortaleza são feridos e denunciam agressão de guarda municipal

A ocorrência aconteceu nas arquibancadas do setor premium do Castelão, durante Clássico-Rei deste domingo. GMF averigua ação.

22:06 | 10/11/2019
O servidor público de 41 anos teve os membros inferiores atingidos por disparo de munição de impacto controlado.
O servidor público de 41 anos teve os membros inferiores atingidos por disparo de munição de impacto controlado. (Foto: Leitor via Whatsapp)

Um servidor público de 41 anos e uma criança de 11 anos, ambos torcedores do Fortaleza, foram feridos por disparo de munição de impacto controlado (bala de borracha) , no setor premium da Arena Castelão, durante Clássico-Rei, deste domingo, 10, que terminou coma vitória do Leão por 1 a 0. A ação teria sido realizada por um agente da Guarda Municipal de Fortaleza (GMF). Os dois torcedores tiveram ferimentos nos membros inferiores, receberam atendimento médico na unidade de saúde do local e registraram boletim de ocorrência no posto policial.

De acordo com o servidor público, que terá a identidade preservada, a situação começou quando um torcedor do Leão gesticulava insultando torcedores do Ceará. O agente da GMF teria, então, utilizado spray de pimenta para conter o torcedor tricolor. "Eu fui falar pra ele ter cuidado (porque havia famílias no local), mas ele nem me escutou. Quando levantei pra falar com ele, ele atirou em mim, do nada", relata a vítima.

A versão foi confirmada pelo pai da criança. "O jovem foi questionar, porque tinha família. Eu tava atrás dele. Na hora que ele se levantou, já vi o guarda apontando a arma, e abracei meu filho e pedi para ele não atirar. E mesmo assim ele não quis escutar e atirou. Ele foi atingido no joelho", descreve.

O servidor classificou a ação como sendo "altamente despreparada, irresponsável". "Isso não é postura. Eu tava na parte de cima, ele tava em baixo, não tinha a menor necessidade de fazer isso". O servidor além do BO também se encaminhou a sede a Perícia Forense para realizar exame de corpo de delito. 

O POVO entrou em contato com a assessoria de imprensa da GMF. A princípio, a informação é de que não havia agentes da GMF no local. "Agimos nos terminais de ônibus e em apoio a fiscalização, na área externa. Não temos efetivo de serviço dentro do estádio". Diante das fotos em que guardas aparecem, que não serão publicadas para preservar as identidades da vítimas, a assessoria informou que irá averiguar "porque esses servidores estavam lá, onde não deveriam estar".

Até a publicação desta matéria, o posicionamento, solicitado na noite deste domingo, às 20h 47min, não havia sido repassado.