Participamos do

Oposição tenta ?antecipar? eleição no Flu

A eleição para presidente do Fluminense vai acontecer somente no próximo ano, mas alguns grupos de oposição tentam antecipar este processo. Isso porque assinaturas estão sendo recolhidas para solicitar uma reunião com o Conselho Deliberativo. Na pauta, a votação de um pedido de impeachment do presidente Pedro Abad e, para que isso aconteça, são necessárias [?]
12:45 | Jun. 26, 2018
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A eleição para presidente do Fluminense vai acontecer somente no próximo ano, mas alguns grupos de oposição tentam antecipar este processo. Isso porque assinaturas estão sendo recolhidas para solicitar uma reunião com o Conselho Deliberativo. Na pauta, a votação de um pedido de impeachment do presidente Pedro Abad e, para que isso aconteça, são necessárias 50 assinaturas e, em seguida, que pelo menos 1/3 dos conselheiros compareçam à reunião e apoiem a ideia.

A saída de Abad neste momento ainda não é uma coisa fácil, porém a cada dia que passa o dirigente fica cada vez mais isolado. Em maio, cinco vices, incluindo alguns de pastas importantes, se desligaram da gestão por não concordarem com a atual administração. O presidente não vem agradando nem mesmo a FluSócio, que foi o principal grupo a garantir a sua eleição e que está no poder há nove anos, desde o primeiro mandato de Peter Siemens.

Por sinal, o próprio Siemens não pode mais ser considerado aliado após Abad responsabilizar o passado por problemas financeiros que vem encontrando no clube. O isolamento do presidente é um ponto para a oposição.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Nas últimas semanas o ex-presidente da Unimed, o empresário Celso Barros, e o ex-diretor jurídico do clube, Mário Bittencourt, passaram a manter contatos no sentido de costurar um acordo. Ambos concorreram e foram derrotados por Abad na eleição passada. Mário ficou em segundo e Celso em terceiro. Porém, ambos entendem que unidos e com apoio de outros oposicionistas, a eleição poderia ser ganha.

A oposição ainda não definiu o nome, pois ainda falta muito para o pleito, mas quem agrada aos dois grupos é Ricardo Tenório, que foi candidato a vice na chapa de Mário e já ocupou o cargo de vice-presidente de futebol.

A contratação do diretor de futebol Paulo Angioni, que possui bom relacionamento com várias correntes do clube, é o que pode começar a amenizar a situação de Abad. O novo contratado, por exemplo, é amigo pessoal de Mário Bittencourt.

Dentro de campo o elenco se reapresentou nesta terça-feira, já sob o comando do técnico Marcelo Oliveira, que ocupa a vaga deixada por Abel Braga, que pediu demissão. O próximo compromisso pelo Campeonato Brasileiro, que está paralisado para a disputa da Copa do Mundo, será em 19 de julho, no clássico carioca com o Vasco, pela 13ª rodada.

Gazeta Esportiva

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente