PUBLICIDADE
Clube de Regatas Flamengo
Noticia

Indignado, Rogério Ceni pede respeito dentro de campo: "É lamentável"

Treinador do Flamengo lamenta episódio de racismo contra Gerson na vitória sobre o Bahia: "Nível muito baixo"

16:30 | 21/12/2020
Técnico Rogério Ceni à beira do campo no jogo Flamengo x Bahia, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro Série A (Foto: Alexandre Vidal / Flamengo)
Técnico Rogério Ceni à beira do campo no jogo Flamengo x Bahia, no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro Série A (Foto: Alexandre Vidal / Flamengo)

A vitória histórica do Flamengo sobre o Bahia na noite deste domingo ficou manchada por um episódio lamentável, protagonizado pelos meias Juan Ramírez e Gerson. O jogador colombiano do Bahia teria se dirigido ao rubro-negro com uma injúria racista. Indignado, o técnico Rogério Ceni defendeu que o respeito não pode faltar dentro de campo.

O episódio ocorreu na primeira metade do segundo tempo e deixou os ânimos bastante alterados entre os jogadores. Além disso, desestabilizou emocionalmente os flamenguistas, que acabaram tomando a virada no placar.

"Conversei agora com o Gerson, ouvindo da parte dele o que o Ramírez falou pra ele. Eu acho que é lamentável. Primeiro, o Brasil é um país que abre pra muita gente, principalmente o sul-americano no futebol. É um país que recebe e acolhe muito bem as pessoas. Então, pelo que o Gerson me relatou, eu lamento muito a forma com que ele... Ele relatar "cala a boca, negro". Acho pesado demais pra alguém que tem o mercado de trabalho aberto no país. Eu já trabalhei em alguns clubes e com muitos estrangeiros, e são recebidos super bem, e toma uma atitude dessa ", afirmou Rogério Ceni à FlaTV.

O treinador do Flamengo considerou lamentável a situação e pediu mais respeito dentro de campo.

"O racismo não está só nisso não, na cor. Não está na camisa que você veste, mas está em quem você é dentro de você. Então, assim, é lamentável a situação criada no dia de hoje. O futebol é entretenimento, claro que vale muito, o Flamengo é uma torcida gigantesca, a maior do mundo, mas o respeito não pode faltar dentro de campo. E atacar um ser humano dessa maneira, um ser humano, conforme o Gerson relatou pra mim agora no vestiário, eu acho de um nível muito baixo", concluiu.

O Bahia afastou Juan Ramírez das atividades no clube até que o caso seja apurado. O atleta de 23 anos, entretanto, negou veementemente a acusação.