Tinga cita vergonha e condena expulsão de Dedé na BomboneraCruzeiro Esporte Clube | Times | Esportes O POVO
PUBLICIDADE
Esportes


Tinga cita vergonha e condena expulsão de Dedé na Bombonera

A expulsão do zagueiro Dedé no segundo tempo da partida da última quarta-feira, na Bombonera, contra o Boca Juniors, pela primeira partida das quartas de final da Copa Libertadores tem rendido manifestações de todos os lados, a grande maioria delas contrária a decisão do árbitro paraguaio Éber Aquino. O ex-jogador Tinga, por exemplo, utilizou as [?]

09:30 | 20/09/2018

A expulsão do zagueiro Dedé no segundo tempo da partida da última quarta-feira, na Bombonera, contra o Boca Juniors, pela primeira partida das quartas de final da Copa Libertadores tem rendido manifestações de todos os lados, a grande maioria delas contrária a decisão do árbitro paraguaio Éber Aquino. O ex-jogador Tinga, por exemplo, utilizou as redes sociais para comentar ?uma das maiores injustiças? do futebol, segundo o próprio.

Em sua conta no Instagram, o ex-gerente e jogador do clube mineiro se manifestou de forma enfática contra a expulsão de Dedé, citando a índole e a qualidade do defensor, e ressaltando a vergonha que foi a aplicação do cartão vermelho contra o jogador convocado para os primeiros compromissos da Seleção Brasileira após a Copa do Mundo.

?Uma das maiores injustiças num campo de futebol a expulsão do melhor zagueiro do Brasil. Revoltante, uma vergonha?, escreveu Tinga.

Cruzeiro emite nota de repúdio e promete ação na Conmebol

Jornais argentinos não aliviam contra erro do VAR na Bombonera

Alex lembra Ubaldo Aquino em 2001 e condena expulsão de Dedé

Aos 29 minutos do segundo tempo, Dedé trombou com o goleiro Andrada involuntariamente após um cruzamento para área da defesa argentina. Após consultar o VAR, Éber Aquino resolveu expulsar o zagueiro do Cruzeiro. Pouco depois, em superioridade numérica, o Boca Juniors, que já vencia por 1 a 0, fechou o triunfo com um gol de Pablo Perez.

A história de Tinga no Cruzeiro perpassa pelas quatro linhas e pelas funções diretivas. Em 2012, o ex-meia foi contratado como jogador do clube, permanecendo até abril de 2015, quando pendurou as chuteiras e anunciou sua aposentadoria após o título brasileiro da temporada anterior.

Dia 15 de dezembro de 2016, Tinga foi anunciado como gerente de futebol da Raposa, permanecendo durante todo o ano de 2017 na função. Sua passagem, porém, foi findada após um desgaste na relação com a diretoria do clube, que promoveu mudanças nos cargos diretivos, criando um impasse e uma onde de desligamentos, sendo um deles o do ex-jogador.

Gazeta Esportiva

TAGS