Ídolo dos finalistas se diz decepcionado com Corinthians e aposta no CruzeiroSport Club Corinthians Paulista | Times | Esportes O POVO
PUBLICIDADE
Esportes


Ídolo dos finalistas se diz decepcionado com Corinthians e aposta no Cruzeiro

Palhinha será eternamente lembrado pelos corintianos pelo memorável título do Campeonato Paulista de 1977, que findou o jejum do clube de quase 23 anos sem levantar uma taça. Após isso, o então ponta de lança ainda formou uma parceria de sucesso com Sócrates nos dois anos seguintes, quando voltou a ser campeão com a camisa [?]

07:15 | 17/10/2018

Palhinha será eternamente lembrado pelos corintianos pelo memorável título do Campeonato Paulista de 1977, que findou o jejum do clube de quase 23 anos sem levantar uma taça. Após isso, o então ponta de lança ainda formou uma parceria de sucesso com Sócrates nos dois anos seguintes, quando voltou a ser campeão com a camisa corintiana.

Mas quando chegou ao clube do Parque São Jorge, Palhinha já era considerado um medalhão pelo que havia feito defendendo o Cruzeiro. Responsável por suprir a saída de Tostão da Raposa, o atual empresário de Belo Horizonte chegou a ser campeão e artilheiro da Libertadores da América, se tornou no nono jogador que mais vezes vestiu a camisa Celeste e ainda é o sétimo maior goleador do clube.

Com tamanha propriedade para falar sobre a grande final da Copa do Brasil, a ser disputada às 21h45 dessa quarta-feira, em Itaquera, Palhinha foi procurado pela reportagem da Gazeta Esportiva e não titubeou ao passar suas percepções. Nem mesmo quando questionado sobre quem deve ficar com o título nesse ano.

?Tem tudo para ser o Cruzeiro. Com essa vantagem, o Mano sabendo armar bem o time na defesa, para contra-atacar, complica muito para o Corinthians, que tem dificuldade no ataque?, avaliou Palhinha, a espera de uma resposta dos donos da casa.

?Um jogo que normalmente se espera mais da equipe do Corinthians, porque aqui (no Mineirão) o time não deu um chute no gol. Com o apoio do torcedor, que eu conheço bem e é um espetáculo, eu espero que o Corinthians consiga atacar mais?.

O fato dos comandados de Jair Ventura não terem incomodado o goleiro Fábio gerou profunda irritação em Palhinha. O ex-jogador garantiu que não irá escolher um time para torcer nessa final, mas voltou a reforçar sua crítica sobre a postura dos paulistas no confronto.

?Torço pelo melhor futebol. E acho que está mais para o Cruzeiro. O Corinthians mostrou um futebol ridículo. Um time de expressão, como é o Corinthians, não pode. Até teve uma posse de bola, mas não deu um chute no gol?, comentou, isentando Jair Ventura de maior culpa.

?Nunca vi o Corinthians jogar tão mal. O treinador é um menino que eu conheço desde criança, bom treinador, jovem, mas o time é muito limitado. Não tem uma estrela. Quem é a estrela do Corinthians? Hoje o Corinthians é na garra, na luta?.

A sensação de Palhinha, segundo o próprio, é compartilhada pela maioria dos cruzeirenses e até da mídia especializada em Minas Gerais.

Leia também:

Médico e fisioterapeuta do Corinthians discutem em meio a incerteza sobre Léo Santos

Elettra Lamborghini vai cantar na Arena Corinthians antes e durante a final

Corinthians aposta na Fiel para chegar ao tetra da Copa do Brasil

Corinthians fecha preparação com torcida e dúvidas na equipe

Final da Copa do Brasil passará nas telas dos cinemas

?É um jogo de grande expectativa. Por aqui há muito otimismo por causa do resultado em casa. O Corinthians decepcionou, fica difícil de acreditar (em uma virada)?.

Por fim, depois de trocar o Cruzeiro pelo Timão nos anos 70, Palhinha se diz um felizardo pela história construída em dois dos maiores clubes do país. Apesar das opiniões de momento, o homem de 68 anos chegou a brincar durante a entrevista ao lembrar de sua primeira e única vez na Arena Corinthians, palco da finalíssima dessa quarta.

?Eu fui uma vez, no evento de inauguração, com os ídolos. Quebrei o braço, coloquei 14 pinos e fiquei 10 dias no hospital. O primeiro gol foi do Rivellino, mas ele estava no outro time. Trocou de camisa para bater o pênalti. Eu não fiz o gol, mas o primeiro pênalti foi em cima de mim. Não fiz o gol, mas deixei essa marca?, concluiu, aos risos.

Gazeta Esportiva

TAGS