PUBLICIDADE
Esportes

Andrés confirma saídas, banca Loss e prevê reposição pós-Copa

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, confirmou na tarde desta quarta-feira que o então auxiliar Osmar Loss será o técnico da equipe até o final da temporada. Após causar certa confusão com suas palavras durante coletiva dada no CT Joaquim Grava, o mandatário foi enfático ao dizer que, na parada para a Copa do Mundo, [?]

18:45 | 23/05/2018

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, confirmou na tarde desta quarta-feira que o então auxiliar Osmar Loss será o técnico da equipe até o final da temporada. Após causar certa confusão com suas palavras durante coletiva dada no CT Joaquim Grava, o mandatário foi enfático ao dizer que, na parada para a Copa do Mundo, vai rever o contrato atual de Loss e as reposições para as saídas confirmadas do auxiliar Leandro ?Cuca?, o preparador físico Walmir Cruz e o observador técnico Mauro Silva.

?Até a Copa ele é o treinador, quando parar nós vamos rever toda a estrutura da comissão técnica. Ele é o treinador, que fique claro, o que vamos ver depois é o que precisamos repor, se vai vir da base, se vai contratar gente de fora?, disse Andrés, incomodado ao ser questionado se a ?renegociação? na parada para a Copa significaria que os sete jogos até lá serão uma avaliação do trabalho de Loss.

?Ele é treinador até a parada da Copa e ali nós vamos conversar, ajeitar tudo, montar a comissão técnica, quem vai subir. Vai caminhar corretamente apesar de alguns torcerem contra. O Loss é treinador do Corinthians e acredito que vai ficar bastante tempo. A parada da Copa é para negociarmos tudo que tem que ser negociado no futebol?, continuou o chefe do Alvinegro, que inicia a caminhada com Loss nesta quinta-feira, contra o Millonarios, às 21h30 (de Brasília), na Arena.

Sorridente e bastante confortável na entrevista, Andrés disse que era questão de tempo até Loss abandonar o estilo reservado, avesso a redes sociais. ?Daqui a pouco já tem assessor, empresário??, brincou o mandatário, frisando sempre que não acredita que o Alvinegro seja refém do bom trabalho de Carille.

?É mais fácil quando dá certo. Às vezes o trabalho é bom e não dá resultado. O Corinthians tem 107, 108 anos, tem que seguir sua vida. Quem nós contratamos da base já é pensando no profissional lá na frente. Treinador é importante como todos os outros. mas o Corinthians está se auto-estruturando. A gente já era zebra, mas agora somos zebrões. Temos um time humilde, um elenco, como vocês sabem, sem muita gente, mas vamos trabalhando com essa humildade para ganhar no final do ano?, concluiu.

Gazeta Esportiva

TAGS