PUBLICIDADE
Esportes

Carille revê o Paraná pela primeira vez como estrela do Corinthians

Treinador corintiano teve três passagens pelo Paraná como jogador

23:15 | 21/04/2018

Fábio Carille diversas vezes já reconheceu que chegou mais longe do que esperava como jogador devido à sua qualidade técnica, e muito disso se dá pelas suas passagens pelo Paraná Clube. Rival inédito do agora técnico Carille, neste domingo, às 11h (de Brasília), na Vila Capanema, o clube da capital paranaense foi a casa dele em três ocasiões marcantes da sua carreira. Todas consideradas fundamentais para que ele chegasse ao Corinthians.

?Foram três passagens, Paranaense de 1996, Brasileiro de 1997 e Brasileiro de 2002, as recordações são imensas, muitos amigos. Período ótimo da minha carreira?, disse o comandante alvinegro, que não encarou o Paraná nem como auxiliar do clube. O último encontro foi dez anos atrás, quando era assistente no Grêmio Barueri, na Série B do Campeonato Brasileiro.

?Vejo esse meu retorno à Vila Capanema com muita alegria. Toda vez que vou para lá relembro com muita alegria. No ano passado fomos joar contra o Coritiba e treinamos lá, funcionários da minha época ainda, foi muito gostoso? relembrou Carille, agora bem mais conhecido, com o bicampeonato paulista e o atual título brasileiro no currículo.

Especializado em montar times com forte sistema defensivo e bastante organizados, Carille ainda reconheceu que o Paraná teve papel importante nessa trajetória seguida por ele. Ainda garoto quando chegou ao clube, aos 23 anos, ele louvou o aprendizado que teve com Antônio Lopes e Sebastião Lazaroni, técnicos paranistas entre 1996 e 1997.

?Dá para dizer, sim, que o Paraná foi muito importante na minha formação como atleta. Em 1996, trabalhando com Lazaroni e Antonio Lopes com quem eu aprendi muito. Não tive tantos trabalhos táticos até essa época?, relatou o corintiano, hoje fã confesso da linha de quatro defensores, vista por ele como a sustentação principal da sua equipe.

?Principalmente o posicionamento na linha de quatro jogadores. Sou muito grato ao Paraná, que me abriu as portas, e a esses profissionais que me ajudaram muito a seguir minha carreira?, concluiu o treinador, dono de três pontos na tabela de classificação do Brasileiro.

Gazeta Esportiva

TAGS