PUBLICIDADE
Esportes

Altura e histórico disciplinar: o que Ralf dá ao Corinthians no Derby

O técnico Fábio Carille promoveu duas mudanças no setor de criação do Corinthians para o segundo jogo da final do Paulista, neste domingo, às 16h (de Brasília), algo esperado para quem precisa reverter uma derrota por 1 a 0 sofrida dentro de casa. Uma terceira substituição, no entanto, chamou a atenção por envolver jogadores que [?]

07:15 | 05/04/2018

O técnico Fábio Carille promoveu duas mudanças no setor de criação do Corinthians para o segundo jogo da final do Paulista, neste domingo, às 16h (de Brasília), algo esperado para quem precisa reverter uma derrota por 1 a 0 sofrida dentro de casa. Uma terceira substituição, no entanto, chamou a atenção por envolver jogadores que compõem o sistema defensivo: a entrada de Ralf na vaga de Gabriel.

Teoricamente sem grande contribuição em termos técnicos, porém, Ralf entra na equipe para aumentar a estatura do time, com ganho de mais de 10 cm com relação a Gabriel (1.82m a 1.70m) e, principalmente, dar experiência a um meio-campo que espera outro jogo tenso, de provocações e discussões, como ocorreu em Itaquera.

Além da rodagem, com seis títulos pelo Corinthians e passagem pela Seleção Brasileira, Ralf ostenta uma marca impressionante com a camisa alvinegra: mesmo atuando na proteção da zaga, nunca recebeu um cartão vermelho defendendo o Timão. Para efeito de comparação, Gabriel foi expulso duas vezes em pouco mais de um ano no clube, ainda que uma delas, contra o Palmeiras, em 2017, tenha sido por um equívoco do juiz.

No Allianz, Ralf, que se prepara para sua terceira participação pelo clube neste retorno, ostenta dois jogos disputados, com uma vitória e um empate, ambos em 2015. Caso amplie esse domínio com um triunfo no domingo, tem a chance de entrar ainda mais para a história alvinegra, ainda que não haja 100% de certeza da sua presença.

Carille dificilmente faz mistério ou muda a escalação durante a semana, um forte indicativo de que a equipe treinada na manhã da última quarta realmente será o time para o embate no Allianz. Até lá, no entanto, o comandante ainda terá mais três treinamentos antes de decidir sobre os 11 iniciais que encaram o Verdão.

Depois de perder a primeira partida por 1 a 0 para o arquirrival, o Timão agora precisa vencer por no mínimo dois gols de diferença para levar o título no tempo normal. Um triunfo pela diferença mínima levaria a decisão para os pênaltis, enquanto qualquer outro resultado deixa a taça no Allianz.

Gazeta Esportiva

TAGS