PUBLICIDADE
Esportes

Sidcley diz não temer chegada do ?amigo? Zeca e exalta concorrência

O lateral esquerdo SIdcley fez sua terceira partida consecutiva como titular do Corinthians na noite de quarta-feira, contra o Deportivo Lara-VEN, pela Copa Libertadores da América. Buscando se estabelecer na posição, o atleta emprestado pelo Atlético-PR disse conviver tranquilamente com a possível chegada do santista Zeca, que esfriou durante a quarta, mas ainda pode acontecer. [?]

09:45 | 15/03/2018

O lateral esquerdo SIdcley fez sua terceira partida consecutiva como titular do Corinthians na noite de quarta-feira, contra o Deportivo Lara-VEN, pela Copa Libertadores da América. Buscando se estabelecer na posição, o atleta emprestado pelo Atlético-PR disse conviver tranquilamente com a possível chegada do santista Zeca, que esfriou durante a quarta, mas ainda pode acontecer.

?O Zeca é um amigo, não tem problema nenhum, não. Nós vamos ter uma disputa sadia, eu, ele e o Juninho Capixaba, só quem tem a ganhar é o Corinthians?, explicou o canhoto, que passou rapidamente à frente de Capixaba. Contratado em troca que envolveu a ida do volante Camacho a Curitiba, ele disse qual é sua relação com o possível companheiro e fez questão de exaltar a qualidade.

?Eu já joguei contra ele algumas vezes, conversamos um pouco sempre que nos encontramos. Nunca jogamos juntos, mas é um cara que eu conheço. Não tive a oportunidade de vê-lo no CT, mas acho que nos próximos dias a gente vai poder ter esse contato?, comentou, ignorando a reviravolta ocorrida no caso.

Apontado como uma chegada que agregaria tanto na esquerda quanto na direita, Zeca espera uma resolução entre a OTB Sports e o Timão, que tinham um contrato pronto, válido por quatro temporadas, mas não assinaram pelo fato de o clube do Parque São Jorge sentir-se inseguro juridicamente no caso.

A ideia da diretoria é buscar alguns pontos que protejam o Corinthians de pagar a multa rescisória de R$ 50 milhões estabelecida no contrato entre o atleta e o Santos, suspenso provisoriamente por um habeas corpus até a realização de uma audiência na Vara Trabalhista de Santos, em abril.

Enquanto isso não acontece, Sidcley parece se firmar no setor e acredita que, com o passar do tempo, tem tudo para melhorar ainda mais de produção. ?Tenho procurado fazer o meu papel, seguir as instruções do professor Carille. Acho que tenho ido bem, mas posso melhorar?, concluiu.

Gazeta Esportiva

TAGS