PUBLICIDADE
Esportes

Sheik evita provocações, mas fala o que pensa sobre polêmicas

Aos 39 anos, Emerson Sheik está mudado. Se antes o anúncio de que o atacante daria entrevista coletiva no Corinthians já gerava ansiedade pelas provocações e brincadeiras que estariam por vir, agora o veterano prefere evitar se meter em polêmicas e pregar todo respeito possível a companheiros e adversários a cada indagação. Nessa sexta-feira, Sheik [?]

19:45 | 02/03/2018

Aos 39 anos, Emerson Sheik está mudado. Se antes o anúncio de que o atacante daria entrevista coletiva no Corinthians já gerava ansiedade pelas provocações e brincadeiras que estariam por vir, agora o veterano prefere evitar se meter em polêmicas e pregar todo respeito possível a companheiros e adversários a cada indagação. Nessa sexta-feira, Sheik colheu as palavras que entendia como corretas para cada pergunta, muitas vezes se utilizando de alguns segundos para refletir antes de abrir a boca.

A mudança de comportamento chamou atenção dos jornalistas presentes na sala de imprensa do CT Joaquim Grava. Ao menos o jogador não deixou de ser sincero na hora de opinar diante de temas que costumam causar mais polêmica, como por exemplo quando foi lhe pedido para apontar o Santos, rival desse domingo, na escala de clássicos e rivalidade com o Corinthians.

?Isso é uma pergunta polêmica?, brincou, causando risadas e ganhando tempo para pensar. ?É um clássico. Deixa eu tentar ser inteligente?, continuou, entre o bom humor e a preocupação com as próprias palavras. ?Acho que a rivalidade nos últimos anos contra Palmeiras e São Paulo é um pouco mais forte. Contra o Santos, não tanto, mas isso não tira a grandeza do Santos e tampouco a importância do jogo. Essa rivalidade ficou maior por parte de Palmeiras e São Paulo. O Santos ficou um pouco mais para traz?, concluiu.

Ao avaliar a preparação das equipes, os favoritos ao título e até a irregularidade de alguns, Emerson Sheik deixou claro o que pensa do Campeonato Paulista, e fez coro aqueles que minimizam a relevância do Estadual nos dias de hoje.

?Eu vejo o Campeonato Paulista como preparação para o Brasileiro. Falando do Corinthians, tivemos pouco tempo de pré-temporada, preparação curta, o regional acaba sendo um esquenta para o Brasileiro, onde as equipes tentam se encontrar, não só taticamente, como fisicamente?, afirmou, com uma sinceridade ponderada.

?Isso não tira a grandeza do Paulista e de outro regional. Eu não acompanhando muito os outros Estaduais, vejo o pessoal falando do Palmeiras, que investiu mais, o São Paulo tentando se organizar, o Corinthians tentando se organizar, o Santos talvez um pouco mais à frente dos outros por estar com um grupo mais tempo junto, enfim, um Paulista se encontrando e, talvez mais para frente, nas finais, tenhamos jogos mais emocionantes?.

O já desgastado tema sobre torcida única nos clássicos paulistas também não passou batido. Nesse domingo, a partir das 17 horas, no Pacaembu, o Corinthians será visitante diante do Santos e terá de encarar um estádio apenas com torcedores rivais. No Derby contra o Palmeiras, domingo passado, em Itaquera, Sheik viveu a situação inversa.

?Eu sou um dos que pensam como os atletas mais antigos. (Torcida única) perde a magia. Não pode e o futebol brasileiro perdeu um pouco a magia, as brincadeiras entre atletas, de apostas, zoeiras. Eu gosto das brincadeiras, das provocações, acho que essa é a grande magia do nosso futebol, e talvez por isso seja nossa paixão. É triste, extremamente triste de jogar com uma única torcida, mesmo sendo a nossa torcida. Você acaba tirando o direito de todos acompanharem um evento grandioso como o futebol. Por outro lado, tem a segurança pública. Mas, uma vez que eu pago todos os impostos, eu entendo que tenho de ir em todo lugar e ter essa segurança. Para mim é triste não ter torcida (visitante) no clássico?, opinou.

 

Gazeta Esportiva

TAGS