PUBLICIDADE
Esportes

Andrés explica veto corintiano ao árbitro de vídeo: ?Não tem padrão?

O presidente Andrés Sanchez teve o seu primeiro ato no cargo na última segunda, quando compareceu ao Congresso Técnico da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), no Rio de Janeiro. Entre outros pontos, o mandatário fez questão de explicar por que foi contra o estabelecimento do árbitro de vídeo, conhecido como VAR na sigla em inglês, [?]

16:15 | 06/02/2018

O presidente Andrés Sanchez teve o seu primeiro ato no cargo na última segunda, quando compareceu ao Congresso Técnico da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), no Rio de Janeiro. Entre outros pontos, o mandatário fez questão de explicar por que foi contra o estabelecimento do árbitro de vídeo, conhecido como VAR na sigla em inglês, para a disputa do Campeonato Brasileiro desta temporada.

?Não tem um padrão ainda, mesmo lá na Europa, é tudo fase de testes, ninguém sabe direito como funciona. Vamos nos preparar esse ano, e quando tiver regras claras, colocamos em prática?, afirmou Andrés, fazendo questão de elevar o número de 12 para 13 entre os que rejeitaram a proposição. Para ele, o São Paulo, ausente na votação, acabou sendo tão contrário ao sistema quanto os outros.

A proposta, aceita por apenas sete clubes da Série A, indicava a utilização do sistema apenas no segundo turno, outro ponto contestado pelos que optaram pelo ?não?. Nada disso, no entanto, é visto como um impeditivo para que, a partir de agora, os clubes não possam reclamar mais dos erros de arbitragem.

?Todo mundo vai reclamar de erros. Teve jogo que tinha vídeo e ?nêgo? reclamou também. Tem lance que tem na televisão, bancada de cinco, seis jornalistas, e discordam. No vídeo vai ser igual. Só o erro grotesco seria consertado?, continuou o dirigente alvinegro, que chegara à coletiva no CT Joaquim Grava diretamente da viagem ao Rio de Janeiro.

Pela votação estabelecida na CBF, o VAR ficará restrito apenas à Copa do Brasil, já nas fases mais decisivas, após a Copa do Mundo. Para o Brasileiro, a ideia é que se estabeleça a utilização em 2019, quando haverá know-how advindo do Mundial para a implantação em território brasileiro.

Gazeta Esportiva

TAGS