PUBLICIDADE
Esportes

Renato Augusto avalia grupo da Seleção e pede atenção com a Suíça

O meia Renato Augusto é um dos articuladores da equipe do técnico Tite e, sendo assim, está de olho no que o Brasil terá pela frente na Copa do Mundo. Sorteado para encarar Suíça, Costa Rica e Sérvia na fase de grupos, a Seleção Brasileira precisará encarar a conhecida defesa suíça logo de cara, algo [?]

15:30 | 11/12/2017

O meia Renato Augusto é um dos articuladores da equipe do técnico Tite e, sendo assim, está de olho no que o Brasil terá pela frente na Copa do Mundo. Sorteado para encarar Suíça, Costa Rica e Sérvia na fase de grupos, a Seleção Brasileira precisará encarar a conhecida defesa suíça logo de cara, algo que motiva bastante atenção por parte dos jogadores. Mesmo seis meses antes do pontapé inicial para o Mundial.

?A gente não se encontrou com o Tite, mas sabemos da qualidade dos nossos adversários. Temos de chegar num nível bem alto tático e técnico?, afirmou o meio-campista, presente ao evento de lançamento de um jogo de futebol virtual, prevendo uma situação pouco vivenciada pelos comandados de Tite até o momento.

?A gente conhece todos os elencos das seleções adversárias, sabemos do nível técnico de todos. Tem a seleção suíça, bastante tática, defensiva, acho que vai ser um jogo semelhante ao que foi o nosso contra a Inglaterra?, comentou, relembrando do empate por 0 a 0 em amistoso disputado no início de novembro.

?O time europeu é diferente das seleções sul-americanas, que se defendem, mas elas te atacam também. Em algum momento elas vão atacar. O europeu, não. O europeu pode passar o jogo inteiro sem te atacar tranquilamente?, avaliou o atleta do Beijing Guouan,, da China, em total expectativa pelo torneio.

?Pretendo treinar justamente para começar a temporada já num nível bom e, chegar na Copa do Mundo num nível alto?, disse o ex-corintiano. Um dos titulares contestados do onze quase ideal de Tite, ele ainda deixou claro que concorda que teve uma queda de rendimento, mas aponta a necessidade de cumprir função tática como o motivo.

?Alguns jogos eu joguei abaixo, outros eu voltei a jogar em alto nível. Principalmente por pensar demais na parte tática, cumprir função, as pessoas acabam não enxergando demais. Procuro fazer o meu, independentemente do que falam, quero ser campeão e só?, concluiu.

Gazeta Esportiva

TAGS