PUBLICIDADE
Esportes

Capitão em 2007, Betão nega benefício em Série B: ?Nunca é bom?

Betão foi um dos atletas mais marcados pela queda em 2007

06:45 | 03/12/2017

O Corinthians completou neste sábado, 2 de dezembro, 10 anos do seu rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro, passagem tida como marcante para a transformação do clube no mais vencedor do país desde então. Para um dos símbolos daquele time, porém, cair para a segunda divisão nacional não pode ser visto como benefício para equipe nenhuma.

O zagueiro Betão, cria das categorias de base do Alvinegro, era capitão daquele elenco e foi, talvez, um dos nomes mais associados ao péssimo desempenho daquele ano. Corintiano na infância e hoje no Avaí, que curiosamente luta para não cair neste domingo, o defensor atendeu a Gazeta Esportiva quando o time catarinense jogou contra o clube do Parque São Jorge, no dia 19 de novembro, e explicou como encara aquela marca na história.

Leia também:

Clodoaldo guarda mágoas do Corinthians

?Rebaixamento não é bom para ninguém, não vale para ninguém, independentemente de ser equipe grande ou pequena. É ruim?, comentou o jogador, calmamente, enquanto pedia para os seus familiares esperarem suas respostas para a imprensa, no estacionamento do estádio de Itaquera.

O baque do descenso foi tão grande para a carreira do beque que minimizou até suas boas atuações no título Brasileiro de 2005, orquestrado pelo argentino Tevez. No total, foram sete temporadas no clube, com 215 jogos e quatro gols marcados.

Sorridente e simpático mesmo para abordar um assunto que pouco lhe trazia de boas lembranças, Betão parecia ter clara ideia do quanto sofreu naquele 1 a 1 com o Grêmio, no Olímpico. Mesmo com as mágoas, porém, ele reconheceu que o calvário pode ter ajudado na construção do Corinthians atual.

?Mas, quem sabe, não foi um alerta. Desde a base a gente sabe que as coisas eram feitas na empolgação, no momento, e o Corinthians é um clube imenso, marca mundial, não dá para levar as coisas assim. O clube se conscientizou disso, não sei se foi pré-rebaixamento, durante ou pós, sei lá, mas o importante é que melhorou muito?, elogioso àqueles que assumiram o comando corintiano desde então.

?O crescimento é enorme, espetacular. Não acompanhei mais de dentro, fui jogar fora, fiquei longe, mas, independentemente das polêmicas, fico feliz por ver o clube grande. Coisa que já deveria ter sido desde os primórdios?, apontou, reconhecendo alguns problemas decorrentes da política no clube, que tem eleição marcada para o dia 3 de fevereiro de 2018.

?Ver esse crescimento, da maneira que as pessoas estão levando o clube, independentemente de partidos políticos internos, é muito legal. Sabemos que tem essa crise interna, mas dá para ver que estão priorizando o clube. E isso é o importante?, concluiu Betão.

Gazeta Esportiva

TAGS