PUBLICIDADE
Esportes

Ex-Timão, Edno relembra Barcelusa e exalta convivência com Ronaldo

Integrante do elenco do América-MG que busca o acesso à primeira divisão nacional, o atacante Edno guarda na memória passagens marcantes pelo futebol do Brasil, com destaque para a Portuguesa de 2011, que recebeu o apelido de ?Barcelusa?, e a chance no Corinthians ao lado de Ronaldo. Em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva, o jogador [?]

08:15 | 09/11/2017

Integrante do elenco do América-MG que busca o acesso à primeira divisão nacional, o atacante Edno guarda na memória passagens marcantes pelo futebol do Brasil, com destaque para a Portuguesa de 2011, que recebeu o apelido de ?Barcelusa?, e a chance no Corinthians ao lado de Ronaldo. Em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva, o jogador ressaltou o aprendizado com o Fenômeno.

?Para mim, é um cara bacana, excelente jogador, realmente um grande fenômeno dentro de campo. Mas conversava com ele como converso com qualquer amigo, pessoa na rua. Acho que a convivência foi muito boa e foi uma experiência legal. Pude aprender muita coisa dentro de campo, de posicionamento, finalização. Realmente é um cara diferenciado?, contou.

Mesmo tendo jogado ao lado de Ronaldo, Edno elegeu seus companheiros de ataque na Barcelusa como os melhores que teve na carreira, mencionando o nome de Ananias, morto no desastre aéreo envolvendo a equipe da Chapecoense, em 2016.

?Para mim, os melhores companheiros de equipe, de ataque, foram na Barcelusa de 2011: Ananias, Zé Henrique e Marco Antônio. Esse time fez história e esses caras foram realmente diferentes, num momento tão histórico e bonito que a gente construiu juntos?, relatou, citando o time que conseguiu o acesso à primeira divisão.

Com três passagens pela Portuguesa, o atacante criou uma identidade com o clube do Canindé. Por isso, mesmo sem fazer parte do elenco que sofreu com o polêmico rebaixamento em 2013, pela escalação irregular de Héverton, o jogador comentou sobre o caso e eximiu o então presidente do clube, Manuel da Lupa, de responsabilidade. ?Foi falta de profissionalismo. O Héverton e o Manuel da Lupa, no meu ponto de vista, não têm culpa, e sim de quem deixou o jogador entrar em campo?, afirmou o atleta, que entende ter faltado o aviso de algum funcionário sobre as suspensões do elenco. O atleta ainda completou sobre a equipe rubro-verde.

?Torço para a Lusa voltar, passo a passo, a ser o que era. Se no final da minha carreira, conseguir a oportunidade de vestir a camisa da Portuguesa, vou com muito orgulho, até porque tenho um carinho enorme pelo clube, minha família também, torcemos pela equipe. Quem sabe, se surgir uma oportunidade futuramente, não agora, ia acabar minha carreira mais feliz jogando no clube no qual tenho uma história muito bonita?, acrescentou.

Em 2017, após se destacar com a camisa do Botafogo-SP na Série C, o jogador acertou sua transferência para o América Mineiro. O atleta destacou que ainda planeja continuar jogando por um longo período.

?Estou com 34 anos, mas minha carreira ainda tem muita estrada pela frente. Tenho mais seis, oito anos para jogar, sou um cara que me cuido muito, venho jogando. Tenho o objetivo de voltar a jogar a Série A, fazer uma história aqui dentro do América. Tenho projetos para minha carreira, de vestir camisas de outros times, claro. (Jogar em) times de massa, como já passei, Botafogo, Corinthians, jogar em alto nível em grandes equipes, como estou hoje. O América também é uma grande equipe, com história no futebol brasileiro e espero continuar nesse nível?, encerrou.

* Especial para a Gazeta Esportiva

Gazeta Esportiva

TAGS