PUBLICIDADE
Esportes

Alessandro lembra críticas a Jô para defender forma física de Jadson

O gerente de futebol do Corinthians, Alessandro, saiu em defesa do meia Jadson na manhã desta quarta-feira. Preocupado em dar apoio ao armador, que vem sendo alvo de críticas pela forma física e até perdeu sua vaga na equipe titular no treinamento, o dirigente relembrou um episódio envolvendo o centroavante Jô, ainda em 2016. Para [?]

13:15 | 01/11/2017

O gerente de futebol do Corinthians, Alessandro, saiu em defesa do meia Jadson na manhã desta quarta-feira. Preocupado em dar apoio ao armador, que vem sendo alvo de críticas pela forma física e até perdeu sua vaga na equipe titular no treinamento, o dirigente relembrou um episódio envolvendo o centroavante Jô, ainda em 2016. Para ele, fotos em que os atletas aparentam estar acima do peso podem não ser fiéis à realidade.

?Eu acho engraçado alguns pontos que se apegam. ?Ah, pode ser física?. ?Ah, uma foto?. Muito antes de o Jô aparecer aqui, vocês bombardearam uma foto dele aqui no treino. Será que hoje ele está muito diferente??, relembrou Alessandro, citando uma imagem em que Jô aparecia ao lado de Marlone, ainda em novembro do ano passado, com uma saliência na região do abdômen. Publicada e depois apagada das redes sociais do clube, a foto recebeu comentários de torcedores indignados com a barriga do atleta.

?Não posso me apegar uma foto ou outra. Tenho que me apegar a uma avaliação do Fábio e dos nossos profissionais da comissão técnica. Não existe falta de comprometimento. Os jogadores são profissionais?, comentou o dirigente, que normalmente é o elo entre a diretoria e os atletas. Campeão mundial pelo clube em 2012, ele ainda disse que entende quando Carille se irrita ao comentar a baixa produção tanto de Jadson quanto de Rodriguinho nos jogos.

?Quando o treinador faz uma defesa é porque ela está sendo muito direcionada a um ou dois atletas, ele quer expandir tanto méritos quanto cobrança. É um discurso repetitivo no futebol, mas é verdade. Não é o momento de encontrar em um ou outro atleta uma deficiência maior que os demais. Isso é normal, acontece muita numa equipe e num elenco?, avaliou, confiando em uma retomada da dupla.

?Essa oscilação é comum. Se eles são referências técnicas e talvez isso tenha um peso maior, a gente sempre priva de críticas maiores. Não demos um mérito maior a eles em janeiro, fevereiro, março e abril, quando fomos campeões paulistas. Isso é internamente, de uma maneira geral a gente precisa de todos. Jadson e Rodriguinho não foram os maiores responsáveis pela boa fase nem vão ser os maiores culpados pela má?, concluiu.

Gazeta Esportiva

TAGS